nsc
    nsc

    #TBT NA PANDEMIA 

    E a gente só sente saudades de coisas boas né?

    Compartilhe

    Mário
    Por Mário Motta
    24/06/2020 - 14h59
     Circo
    Furar a lona do Circo só para entrar de graça... (Foto: Arquivo Pessoal)

    Nasci em um Circo, o Circo Teatro Motinha e Nhá Fia. Essa parte da história imagino que vocês já conheçam. O que talvez vocês não saibam, é que se por um lado sinto muito orgulho da minha origem, por outro carrego algumas frustrações.

    Leia Mais:

    Ternura para sorrir e chorar

    Nunca "passei por baixo" da lona lateral do Circo para assistir gratuitamente o espetáculo (afinal, estaria jogando contra a minha propriedade, não é? O Circo era nosso...), além de “nunca ter ido à matinê de um Circo" assistir e rir com o Palhaço. Isso era impossível, pois naquela hora eu era o próprio.

    Pernalonga, era meu nome como palhacinho.
    Pernalonga, era meu nome como palhacinho.
    (Foto: )

    É, aos quatro anos de idade eu já pintava a cara e enfrentava o público como o Palhaço Pernalonga nas tardes de domingo. Mas, porque aquelas pessoas riam tanto? Minhas piadas eram tão sem graça! Muito mais para mim, que já as conhecia “de cor e salteado”.

    Aliás, lembro-me com carinho da minha primeira “criação humorística”. Inventei-a no fundo do palco, escondido. Coloquei uma banana no interior da camisa e no meio do picadeiro após retirá-la, exclamei com espanto:

    “Puxa, estou grávido de uma banana!”

    Ninguém riu. É evidente. Apresentei este número uma única vez, antes de ser retirado pelas orelhas por meu tio – o Palhaço Tira Prosa – com a devida bronca:

    ”Marinho, você ficou louco ? Onde já se viu falar “grávido” em pleno picadeiro?”

    Pois é, os tempos mudaram. Hoje é quase comum “engravidar” em pleno picadeiro. Só a minha piada ainda não mudou. Os homens continuam apenas “colaborando”. Continuamos reverenciando essas mulheres maravilhosas e sua bendita capacidade de gerar - de perpetuar a espécie.

    Reverência que na minha ingenuidade, talvez eu tenha proposto naquela matinê circense há tantos anos. O ator da Rede Globo e poeta Antônio Calloni, conclui bela poesia em homenagem a mãe dele, com a seguinte ideia:

    “Obrigado por tudo Mãe! Também porque foste minha primeira morada neste mundo!”

    Poucas vezes uma expressão poética me tocou tanto. Lembrei-me que quase deixei minha “primeira morada neste mundo” em pleno picadeiro do Circo Piolim. Ali meus pais se apresentavam no frio março de 1952, quando minha querida mãe Nair – Nhá Fia para o público – sentiu as primeiras dores do parto.

    Fomos levados – ela e eu - para a Beneficência Portuguesa em Santo André e mesmo vivendo sempre juntos, desde então nos separamos. Tive muitas outras moradas, mas como aquela primeira – o ventre materno - nunca mais. Que saudades, Mãe! E a gente só sente saudades de coisas boas, não é mesmo?

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas