nsc
nsc

Crônica

O dia fatal

Compartilhe

Martha
Por Martha Medeiros
31/12/2021 - 09h00
coluna-martha-medeiros-01-01-2022
Martha Medeiros: "Olho para todos os próximos 365 dias e levo fé de que passarei por ele, mais uma vez, sã e salva, sem desconfiar o ano (felizmente, indeterminado) em que ele não me deixará seguir em frente" (Foto: Freepik)

Sempre que chega o fim do ano, um calafrio me percorre. “Passei por ele de novo”, penso. Atravessei todos os 12 meses e cada um de seus dias, e um deles era ele, que, discreto, não se fez notar. Percorri o dia da minha futura morte em plena vigência da vida. É sobre a vida que pretendo falar, confie em mim.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Ele existe: o dia fatal. Porém, anônimo. Pode ser o 13 de abril, o 21 de junho, o 8 de novembro ou qualquer outro dia do calendário 2022 que se descortina. Olho para todos os próximos 365 dias e levo fé de que passarei por ele, mais uma vez, sã e salva, sem desconfiar o ano (felizmente, indeterminado) em que ele não me deixará seguir em frente, me reterá para sempre e formará, junto à data do meu nascimento, a dupla mais importante da minha biografia: o dia em que cheguei e o dia em que parti, inseparáveis na minha lápide. Que ele não tenha o mau gosto de cair no mesmo dia que nasci, quero o privilégio de ter duas datas masters para me chorarem.

Falta de timing dessa mulher, talvez o leitor esteja pensando. Em pleno entusiasmo da virada, este assunto? Entenda, é apenas uma homenagem à elegância da inocência. Todos os anos, passo 24 horas vivenciando um dia que terá grande destaque no meu futuro, porém acordo como se fosse uma data qualquer. Cumprimento o sol que avisto pela janela, tomo meu suco de laranja, enrolo uma fatia de queijo numa fatia de blanquet de peru e engulo esse enroladinho em pé mesmo, enquanto aguardo meu personal para uma hora de treino de força, confiante de que isso me garantirá alguma longevidade. A inocência é muito camarada, nunca estraga nosso prazer de fazer planos.

> Duas horas de presente

Antes que ele seja o último, será mais um dia comum. Escreverei um texto que não mudará o mundo, talvez assista a um filme com o namorado e me preocuparei com trivialidades, sem ter a mínima ideia de que estou passando por um outro tipo de aniversário, aquele que jamais celebrarei.

O que isso tem a ver com a vida? Tudo. A vida só é bem aproveitada graças a essa única ignorância a festejar. Na inauguração de mais um ano, sinto como se eu tivesse a eternidade toda para amar, para viajar, para lutar por mudanças necessárias, para fazer novos amigos e com eles beber muito vinho. Para plantar uma muda de cipreste no jardim, acreditar que o verei crescer e que ainda desfrutarei da sombra – pouca, cipreste não dá muita sombra, convenhamos.

> Leia outras colunas de Martha Medeiros

Prezo a generosidade deste desconhecimento fundamental, o segredo mais bem guardado do universo, que nunca se revela a fim de que possamos percorrer sossegados a estrada adiante, do contrário, paralisaríamos. É isso, a crônica esquisita é apenas para agradecer o mistério, esse adorável condutor dos nossos sonhos.

Leia também:

> Confira as previsões do horóscopo chinês para janeiro de 2022

> Veja 10 concursos públicos que vão bombar no Brasil em 2022

> Baba Vanga: veja todas as previsões da vidente que alertou sobre a pandemia

Martha Medeiros

Colunista

Martha Medeiros

Escritora e cronista best-seller com livros adaptados para a TV e cinema. Escreve sobre o cotidiano, o dia a dia e temas de interesse comum.

siga Martha Medeiros

Martha Medeiros

Colunista

Martha Medeiros

Escritora e cronista best-seller com livros adaptados para a TV e cinema. Escreve sobre o cotidiano, o dia a dia e temas de interesse comum.

siga Martha Medeiros

Mais colunistas

    Mais colunistas