nsc
nsc

Opinião

Uma escolha fácil

Compartilhe

Martha
Por Martha Medeiros
29/04/2022 - 14h00
coluna-martha-medeiros-escolha
Martha: "Somos 200 milhões de patrões avaliando a conduta de um funcionário que pleiteia o emprego mais importante do país e que promete um plano eficiente de gerenciamento" (Foto: Freepik)

Não entendo quando dizem que a próxima eleição será difícil. Mais fácil, impossível. Armas versus livros. Culto à alienação versus incentivo ao conhecimento. Facilitações exclusivas para militares e evangélicos versus uma política social que atenda todas as pessoas, de qualquer credo, cor e gênero, de esquerda ou direita. Isolamento do resto do mundo versus respeito internacional. Discurso vazio versus diálogo. Fascismo versus democracia. Desgoverno versus governo. Qual a dificuldade de escolher?

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

A dificuldade chama-se Lula, dirão os que ainda usam o líder petista como desculpa por terem votado num oficial que foi expulso do Exército por terrorismo e cujo ídolo é um torturador. Alegam ter sido “obrigados” a colocar o país nas mãos de um homem sem projeto, a fim de se livrarem da corrupção – beleza, agora ninguém investiga mais nada. Tiveram que “tapar o nariz” e votar em alguém que nunca debateu uma ideia, em vez de elegerem, mesmo a contragosto, um professor com experiência em gestão pública. 

Entregaram nosso futuro de mão beijada para um homem que veio do submundo da política, com seu papinho retrô de moralização dos costumes e que usa Deus como cabo eleitoral para manipular a boa-fé de cidadãos mal-informados – e os mantém mal-informados através da indústria das fake news, a única coisa que progrediu nos últimos quatro anos.

> Sem verba federal, SC banca obras de duplicação da BR-470

Já alguns bem-informados, que sabiam direitinho o que o PT havia feito pelos mais pobres, também vieram com essa conversa mole de “desencanto”, a fim de disfarçarem sua identificação com o capitão machista. Deu nisso. Agora somos o país dos milicianos no poder, dos ministérios conduzidos (em sua maioria) por medíocres, da turma desmiolada que despreza a ciência, dos irresponsáveis que foram contra máscara e vacina em plena pandemia. Sério mesmo que temos uma escolha difícil a fazer em outubro?

Corrigir nosso erro histórico não nos conduzirá direto ao paraíso. Seja quem for o candidato ou candidata que conseguir interromper esse período grosseiro do Brasil, haverá de ser cobrado desde o dia que assumir. Um presidente da República tem obrigações e, quando falha, apanha da opinião pública, como todos já apanharam, é o ônus do ofício. Somos 200 milhões de patrões avaliando a conduta de um funcionário que pleiteia o emprego mais importante do país e que promete um plano eficiente de gerenciamento. Se não cumprir, fora.

> Leia outras colunas da Martha Medeiros

A besteira que fizemos em 2018 está custando caro, econômica e moralmente. De que adianta sermos bons cristãos, se hoje estamos alinhados aos tiranos do mundo? A escolha é fácil: voltemos aos governos que nos desiludem, como todos desiludem em algum ponto, mas que não colocam a democracia em risco, nem usam nossa fé contra nós mesmos.

Leia também:

> SC tem salto na emissão diária de títulos de eleitor para adolescentes

> Jean Wyllys compara cartaz da Schützenfest ao nazismo e causa polêmica

> Conheça o sistema manezinho capaz de transformar um Fusca em carro elétrico

Martha Medeiros

Colunista

Martha Medeiros

Escritora e cronista best-seller com livros adaptados para a TV e cinema. Escreve sobre o cotidiano, o dia a dia e temas de interesse comum.

siga Martha Medeiros

Martha Medeiros

Colunista

Martha Medeiros

Escritora e cronista best-seller com livros adaptados para a TV e cinema. Escreve sobre o cotidiano, o dia a dia e temas de interesse comum.

siga Martha Medeiros

Mais colunistas

    Mais colunistas