Navegue por

publicidade

publicidade

Martini

Análise, opinião e notícias em primeira mão dos principais fatos cotidianos do Estado, especialmente da grande Florianópolis. Proximidade com o leitor e versatilidade em cada conteúdo. Esta coluna deixou de ser atualizada. Conheça todos os colunistas do NSC Total em: https://www.nsctotal.com.br/

Martini

Hora do adeus

Por Martini

24/01/2018 - 10h56

Neste 24 de janeiro escrevo a coluna de despedida do NSC Total e da página 2 do Diário Catarinense. Espaço que assino nos últimos oito anos e três meses. O meu pedido de desligamento foi uma decisão planejada. Não saio de um emprego em busca de novos projetos, como recomendaria o velho chavão. Deixo para trás os melhores dias de minha vida em busca de uma mudança de rota. A jornada é curta e não dá para adiar alguns sonhos. A transição mais difícil da minha carreira, abrir mão deste espaço diário, foi compreendida pela direção da empresa, que fez questão de ressaltar mais de uma vez que as portas seguem abertas. Eu só posso agradecer a tudo o que a RBS, e agora a NSC, fizeram por este profissional. Acredito que passei no rigoroso teste de seleção das bruxas de Franklin Cascaes, porque são 17 anos em Florianópolis, e no mesmo emprego. Ganhei amigos, família (filhas e esposa) e um espaço que muito me orgulha pela prática diária do jornalismo. Deixo a função de colunista, mas jamais a de repórter. Agora é hora de dar adeus. Como diria o Rei: “se chorei ou se sorri, o importante é que emoções eu vivi”. Valeu a todos que ajudaram a construir esta história. Marcelo Fleury é o mais novo colunista da NSC

Continuar lendo

Universidade organiza feira de profissões com palestras e shows musicais em São José

Por Martini

24/01/2018 - 10h53

Com o objetivo de ajudar os jovens a escolher a futura profissão e descobrir vocações, a Estácio promove no próximo fim de semana, em São José, na Grande Florianópolis, o Viva Estácio. O evento, no Continente Shopping, é promovido pela universidade em oito estados entre os dias 20 de janeiro e 4 de fevereiro. Além de palestras, haverá atrações musicais. Os visitantes poderão ainda jogar videogames e fliperamas retrô das décadas de 1970, 1980 e 1990, além de se divertir com games de realidade virtual de última geração. Para a criançada  A apresentação do teatro de bonecos Quedelhe o Boi (foto), montagem da Pequeninus Produções Artísticas, está na agenda do FIK Criança, que faz parte do Festival Internacional de Cultura e Artes José Luiz Kinceler (FIK 2018), promoção do Centro de Artes (Ceart) da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), em Florianópolis. Entre os dias 5 e 7 de fevereiro, a garotada entre quatro e 12 anos, dividida por faixa etária, terá atividades artísticas totalmente gratuitas – oficinas de artes visuais, música, teatro, jogos, exibição de filmes, espetáculos de teatro e música, contação de histórias e exposições artísticas. A propósito Será que vão esperar um acidente grave ou até mesmo uma tragédia acontecer para colocar sinalização indicando o local da saída de veículos no Parque de Coqueiros? Confira todas as publicações de Rafael Martini Leia também: HU da UFSC contará com 164 novos servidores a partir de março Pinho Moreira entrega ao Deinfra a licença para novo acesso ao aeroporto

Continuar lendo

Defesa Civil de SC fará evento internacional sobre prevenção de desastres em março

Por Martini

24/01/2018 - 09h08

A Defesa Civil de Santa Catarina lançou ontem o II Seminário Internacional de Proteção e Defesa Civil (SPIDC). Aberto ao público, que poderá se inscrever nas mais de 50 palestras nacionais e internacionais da programação, o SPIDC será no Centro de Eventos Governador Luiz Henrique da Silveira, no Norte da Ilha, em Florianópolis, nos dias 13 e 14 de março. A ideia é aumentar o senso de percepção de risco da sociedade brasileira e debater sobre a importância das políticas públicas na redução de riscos de desastres. O seminário vai destacar também os projetos realizados para aumentar a resiliência do povo catarinense perante o maior evento severo ocorrido no Estado, que completa 10 anos em 2018. Aliás Durante os dois dias, palestrantes renomados de diversos países do mundo estarão na Capital para alertar e discutir temáticas, como monitoramento e alerta prévio – experiências aprendidas, planejamento urbano, mapeamentos de risco e segurança pública. Autoridades, professores, estudantes, empresários e toda a comunidade estão sendo esperados no seminário, que irá apresentar estudos de caso e situações de êxito em defesas municipais do país e analisar relações entre opções de desenvolvimento e sustentabilidade. Rafael Martini se despede da NSC Comunicação ​Marcelo Fleury é o mais novo colunista da NSC​

Continuar lendo

HU da UFSC contará com 164 novos servidores a partir de março

Por Martini

23/01/2018 - 10h33

A administração da UFSC e a direção do Hospital Universitário definiram com a empresa responsável pelo gestão do HU, a EBSERH, os próximos passos para a tão esperada ampliação do quadro de funcionários do hospital. Serão contratados 164 funcionários, sendo 38 médicos, 30 enfermeiros, 73 técnicos de enfermagem, 4 farmacêuticos, assistente social, fisioterapeuta, nutricionista, psicólogo, dois técnicos de farmácia, sete técnicos de laboratório, técnico em radiologia, engenheiro civil, engenheiro clínico, engenheiro mecânico e um técnico em segurança do trabalho. Com isso será possível reabrir, já em março e até junho, 30 leitos da unidade cirúrgica II, 12 leitos da UTI neonatal e ampliar outros dois leitos do alojamento conjunto. ALIÁS No dia 7 de fevereiro outros 31 serão empossados, para início imediato: seis enfermeiros, cinco médicos, 15 técnicos em enfermagem, um técnico em farmácia, três técnicos de laboratório e técnico em segurança do trabalho. Ou seja: a partir de março o HU contará com 195 novos servidores e a reativação de serviços nos próximos dois meses. DOSE TRIPLA   

Continuar lendo

Pinho Moreira entrega ao Deinfra a licença para novo acesso ao aeroporto

Por Martini

22/01/2018 - 22h43

O governador em exercício, Eduardo Pinho Moreira, entregará hoje, às 15h, no Centro Administrativo, a Licença Ambiental de Instalação (LAI) para o novo acesso ao Aeroporto Hercílio Luz. O documento é assinado pelo presidente da Fundação do Meio Ambiente (Fatma), Alexandre Waltrick Rates, e será entregue ao Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra). O evento contará também com os representantes da Floripa Airport, empresa que tem a concessão do Aeroporto Internacional Hercílio Luz. A partir de agora, o Estado pode licitar a contratação para a obra de pouco mais de 2 quilômetros que emperra a conclusão dos trabalhos há anos. CASA NOVA Vereador Gabrielzinho (PSB) reuniu-se com o tenente-coronel Sinval Santos da Silveira, comandante do 21 ao 21º BPM, para conversar sobre a estrutura do batalhão que atende todo o Norte da Ilha de SC. O parlamentar sugeriu que a Câmara encampe a ideia de construção de uma nova sede para o batalhão, com estrutura de alojamento adequada para receber principalmente os policiais que vêm de outros municípios trabalhar durante a temporada. BATEU NA TRAVE O Ministério Público Federal em Criciúma manifestou-se contra a lei que instituiu o "Programa Escola sem Partido" no município. Publicada no início deste mês, a lei é considerada inconstitucional pelo MPF, que encaminhou a manifestação à Procuradoria Geral da República (PGR), para que sejam adotadas as medidas judiciais necessárias à sua impugnação. Segundo o procurador da República Fábio de Oliveira, o MPF recebeu representação de um cidadão, denunciando que a Lei Municipal nº 7.159, de 2 janeiro de 2018, apresenta vícios de constitucionalidade, além de violar normas da Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Leia todas as publicações de Rafael Martini Leia também: Corte do bloco Berbigão de Boca, de Florianópolis, é definida Helicópteros Arcanjos completam oito anos de atividades em Santa Catarina

Continuar lendo
Nova corte do bloco Berbigão de Boca

Corte do bloco Berbigão de Boca, de Florianópolis, é definida

Por Martini

22/01/2018 - 12h50

Michelle Santos atual rainha da escola de samba Jardim das Palmeiras, de São José, também faturou a coroa no Berbigão do Boca, festa que abre tradicionalmente o Carnaval de Florianópolis. Michelle vai representar bloco junto com Kamilly Oliveira e Thaynara Freitas, princesas da corte do Boca.

Continuar lendo
Crédito: Divulgação

A chapa ficou quente em Criciúma

Por Martini

22/01/2018 - 10h01

Esquentou de vez o clima em Criciúma por conta do reajuste do IPTU. A Câmara de Vereadores emitiu nota oficial no fim de semana contrapondo-se ao que classifica como notícia falsa que teria viralizado nas redes sociais. Tanto que o Legislativo pretende reunir-se hoje para discutir o aumento autorizado pelo Executivo no finalzinho de 2017 e à revelia do parlamento. A força da rede Com base em recentes pesquisas, o Instituto Mapa estima que 73% do eleitorado catarinense utiliza-se da internet diariamente. Quando se trata de acompanhar notícias sobre política e candidatos 57% afirma se valer também do  meio digital. E que 53% dos eleitores apontam que a internet vai influenciar na sua escolha de voto. Especulação à vista A transferência da gestão do Hercílio Luz, agora Floripa Airport, para os suíços e a perspectiva de desativação completa da Base Aérea já começam a refletir no valor dos terrenos à venda no Sul da Ilha. Já fala-se em aumento de até 30% no valor do metro quadrado na região. Leia mais notícias do colunista Rafael Martini

Continuar lendo
Arcanjo em um resgate no litoral de SC

Helicópteros Arcanjos completam oito anos de atividades em Santa Catarina

Por Martini

22/01/2018 - 09h29

Os Arcanjos, aeronaves operadas em parceria da Secretaria de Estado da Saúde e Corpo de Bombeiros Militar, completaram sábado oito anos de operações em Santa Catarina. Os números não deixam dúvidas sobre a importância. Entre 20 de janeiro de 2010 e 20 de janeiro deste ano, foram 6.453 ocorrências, com 5.964 pessoas atendidas, totalizando 6.250 horas de voo no Estado.

Continuar lendo
uber

Número de motoristas de aplicativo dobra em Florianópolis durante a temporada

Por Martini

20/01/2018 - 11h34

Há pouco mais de 15 meses, o transporte de passageiro por aplicativo chegava em Florianópolis cercado de polêmica. De um lado, taxistas partindo para agressões até físicas de alguns motoristas em nome da famosa reserva de mercado. Ou, como diria o manezinho: quando a farinha é pouca, meu pirão primeiro. Do outro, usuários afoitos por experimentar a tecnologia que prometia revolucionar a forma como as pessoas deslocam-se principalmente nas grandes cidades, com serviço de excelência a bordo e preços mais em conta no final da corrida. No meio disso, muita gente desempregada ou com necessidade de fazer um extra no orçamento da família disposta a rodar horas e horas à espera de um sinal no celular de chamada de passageiro. Para completar, um governo municipal sem referências jurídicas sobre como regulamentar o assunto e vereadores ultraliberais na Câmara colocando a boca no trombone contra qualquer tipo de taxação, como se o Deus Mercado tudo regulasse por conta. Corta para janeiro de 2018. Dados da prefeitura de Florianópolis, conforme a própria plataforma Uber, indicam que cerca de seis mil motoristas estariam trabalhando nesta temporada, oferecendo seus préstimos por meio do aplicativo, exatamente o dobro em comparação ao restante do ano. Como base para comparação, Florianópolis tem cerca de 500 táxis rodando.  Uma verdadeira invasão de gente de todo o país. Não é à toa que nos primeiros 15 dias do ano, Florianópolis conviveu com os maiores congestionamentos já vistos na história da Capital. Pegue milhares de pessoas rumando para as praias do Norte da Ilha, por exemplo, e adicione outras centenas de motoristas de aplicativo levando passageiros para os mesmos destinos, em rotas que eles nem sequer conhecem e está temperada a salada da confusão total. Os relatos da queda da qualidade dos serviços dos transporte por aplicativo cresceram exponencialmente nas redes sociais nesta temporada. E os preços, antes atrativos, dispararam. Uma viagem, por exemplo, entre Santo Antônio de Lisboa e o Centro, que custava, em média, R$ 21 fora da temporada, saltou para R$ 78 nos primeiros dias de 2018. As balas de goma, água gelada e carro impecável rarearam na pista. Resultado: desabou as estrelinhas de avaliação dos passageiros em relação a muitos motoristas. Nas locadoras, por exemplo, não existe mais carro para alugar para quem quer trabalhar com aplicativo. Serviço ainda sem fiscalização Para o presidente do Sindicato dos Táxis de Florianópolis, Irandi Oliveira, os taxistas enfrentam uma concorrência desleal. “Nós não somos contra a tecnologia e os avanços do mercado, o que não aceitamos é que um aplicativo opere sem nenhum tipo de fiscalização ou controle num setor tão sério como o do transporte de passageiros”, diz Oliveira, que compara a relação entre taxistas e aplicativo à disputa entre lojistas formais e camelôs. O chefe da Casa Civil, Filipe Mello, explica que a prefeitura de Florianópolis enviou projeto de lei à Câmara de Vereadores regulamentar a atividade do Uber em Florianópolis. Lembra que São Paulo, por exemplo, já adotou regras como a identificação do veículo com um adesivo no para brisa (veículo para transporte de passageiro por aplicativo). Além, é claro, da tarifação da receita obtida pela plataforma, que concentra 90% dos seus ganhos na capital paulista, já que as operações são feitas em larga escala por meio do cartão de crédito. “Nosso projeto para regulamentação do uber é até mesmo para seguir qualificando a prestação deste serviço, mas precisamos saber exatamente quem e quais são estes profissionais”, explica Mello. Para obter a licença em São Paulo, por exemplo, o motorista precisa fazer uma prova em que identifique pelo menos 70% das regiões da capital. Seria o ideal também para Floripa, até para evitar que motorista de aplicativo use o waze (outro app) para saber como se cruza da Ilha para o continente. É inegável que o Uber veio pra ficar e facilitou a vida de muita gente, mas como toda a novidade precisa passar por ajustes até o modelo considerado ideal. Há pouco mais de 15 meses, o transporte de passageiro por aplicativo chegava em Florianópolis cercado de polêmica. De um lado, taxistas partindo para agressões até físicas de alguns motoristas em nome da famosa reserva de mercado. Ou, como diria o manezinho: quando a farinha é pouca, meu pirão primeiro. Do outro, usuários afoitos por experimentar a tecnologia que prometia revolucionar a forma como as pessoas deslocam-se principalmente nas grandes cidades, com serviço de excelência a bordo e preços mais em conta no final da corrida. No meio disso, muita gente desempregada ou com necessidade de fazer um extra no orçamento da família disposta a rodar horas e horas à espera de um sinal no celular de chamada de passageiro. Para completar, um governo municipal sem referências jurídicas sobre como regulamentar o assunto e vereadores ultraliberais na Câmara colocando a boca no trombone contra qualquer tipo de taxação, como se o Deus Mercado tudo regulasse por conta. Corta para janeiro de 2018. Dados da prefeitura de Florianópolis, conforme a própria plataforma Uber, indicam que cerca de seis mil motoristas estariam trabalhando nesta temporada, oferecendo seus préstimos por meio do aplicativo, exatamente o dobro em comparação ao restante do ano. Como base para comparação, Florianópolis tem cerca de 500 táxis rodando.  Uma verdadeira invasão de gente de todo o país. Não é à toa que nos primeiros 15 dias do ano, Florianópolis conviveu com os maiores congestionamentos já vistos na história da Capital. Pegue milhares de pessoas rumando para as praias do Norte da Ilha, por exemplo, e adicione outras centenas de motoristas de aplicativo levando passageiros para os mesmos destinos, em rotas que eles nem sequer conhecem e está temperada a salada da confusão total. Os relatos da queda da qualidade dos serviços dos transporte por aplicativo cresceram exponencialmente nas redes sociais nesta temporada. E os preços, antes atrativos, dispararam. Uma viagem, por exemplo, entre Santo Antônio de Lisboa e o Centro, que custava, em média, R$ 21 fora da temporada, saltou para R$ 78 nos primeiros dias de 2018. As balas de goma, água gelada e carro impecável rarearam na pista. Resultado: desabou as estrelinhas de avaliação dos passageiros em relação a muitos motoristas. Nas locadoras, por exemplo, não existe mais carro para alugar para quem quer trabalhar com aplicativo. Para o presidente do Sindicato dos Táxis de Florianópolis, Irandi Oliveira, os taxistas enfrentam uma concorrência desleal. “Nós não somos contra a tecnologia e os avanços do mercado, o que não aceitamos é que um aplicativo opere sem nenhum tipo de fiscalização ou controle num setor tão sério como o do transporte de passageiros”, diz Oliveira, que compara a relação entre taxistas e aplicativo à disputa entre lojistas formais e camelôs. O chefe da Casa Civil, Filipe Mello, explica que a prefeitura de Florianópolis enviou projeto de lei à Câmara de Vereadores regulamentar a atividade do Uber em Florianópolis. Lembra que São Paulo, por exemplo, já adotou regras como a identificação do veículo com um adesivo no para brisa (veículo para transporte de passageiro por aplicativo). Além, é claro, da tarifação da receita obtida pela plataforma, que concentra 90% dos seus ganhos na capital paulista, já que as operações são feitas em larga escala por meio do cartão de crédito. “Nosso projeto para regulamentação do uber é até mesmo para seguir qualificando a prestação deste serviço, mas precisamos saber exatamente quem e quais são estes profissionais”, explica Mello. Para obter a licença em São Paulo, por exemplo, o motorista precisa fazer uma prova em que identifique pelo menos 70% das regiões da capital. Seria o ideal também para Floripa, até para evitar que motorista de aplicativo use o waze (outro app) para saber como se cruza da Ilha para o continente. É inegável que o Uber veio pra ficar e facilitou a vida de muita gente, mas como toda a novidade precisa passar por ajustes até o modelo considerado ideal. Confira todas as publicações de Rafael Martini Leia também: Nove desembargadores são candidatos para a vice-presidência do TRE-SC

Continuar lendo
Sesc

Confira onde aproveitar as atividades do Sesc Verão no litoral de SC

Por Martini

19/01/2018 - 15h19

Turistas e moradores estão aproveitando as programações do Sesc Verão, em Canasvieiras, Pinheira, Enseada, Molhe Central, Mar Grosso e Meia Praia. Tem brincadeiras, oficinas, cinema na praia, teatro, shows e muito mais. Na foto, a intervenção cultural e apresentação do palhaço Pacacoenco na praia de Balneário Piçarras. E no fim de semana tem apresentações do espetáculo "La Conquista" em Meia Praia (19), Molhe Central (20) e Enseada (21), às 19h. CARONA NO NAVIO 

Continuar lendo
Exibir mais

Martini

Análise, opinião e notícias em primeira mão dos principais fatos cotidianos do Estado, especialmente da grande Florianópolis. Proximidade com o leitor e versatilidade em cada conteúdo. Esta coluna deixou de ser atualizada. Conheça todos os colunistas do NSC Total em: https://www.nsctotal.com.br/

publicidade

publicidade

publicidade

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação