nsc
nsc

Política

Com Amandio na Casa Civil, governo Moisés busca resgatar prestígio com setor produtivo de SC

Compartilhe

Pedro
Por Pedro Machado
11/05/2020 - 18h07 - Atualizada em: 11/05/2020 - 18h19
Amandio João da Silva Júnior
Amandio já tinha passado pelo governo catarinense (Foto: Divulgação)

No primeiro pronunciamento oficial como novo chefe da Casa Civil de Santa Catarina, o empresário Amandio João da Silva Júnior deixou clara a missão que terá no governo. Ao lado de Carlos Moisés, em coletiva de imprensa no início da noite desta segunda-feira (11), disse que é preciso diminuir a tensão política e buscar uma proximidade maior com prefeitos e entidades representativas, que desde o início da pandemia não pouparam críticas ao governador pela falta de diálogo na definição de medidas restritivas e de ações para combater o novo coronavírus.

​> Em site especial, saiba tudo sobre o novo coronavírus

A reação positiva do setor produtivo à escolha do substituto de Douglas Borba pode sinalizar uma pequena trégua a Moisés no meio da crise da compra dos respiradores. A Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina (Facisc) emitiu nota reiterando apoio a Amandio, lembrando que ele tem histórico no movimento associativista – foi presidente da Associação Empresarial de Rio do Sul, do Conselho Estadual de Jovens Empreendedores de Santa Catarina (Cejesc) e vice-presidente de Soluções Empresariais e do Programa Empreender na diretoria da própria Facisc.

“Toda a sua trajetória como gestor e líder empresarial, além de ter conduzido recentemente a secretaria adjunta de Desenvolvimento Econômico Sustentável, lhe confere experiência e competência para estar à frente da Casa Civil”, escreveu a entidade.

A Acib e diversas outras entidades foram pela mesma linha, ratificando o posicionamento da Facisc. Para o presidente Avelino Lombardi, Amandio será um “aliado da classe produtiva”. De quebra, a nomeação do empresário reforça a presença do Vale no primeiro escalão, o que em tese pode encurtar o caminho para o atendimento de demandas da região.

Amandio não é uma novidade no governo. Ele foi secretário-adjunto da Secretaria de Desenvolvimento Econômico Sustentável, mas deixou a pasta no fim de 2019 – nos bastidores, falou-se à época que a saída foi motivada por atritos com o titular Lucas Esmeraldino.

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Mais colunistas

    Mais colunistas