nsc
nsc

Economia

Coronavírus afeta ao menos 75 eventos com perdas de R$ 23 milhões a promotores de SC

Compartilhe

Pedro
Por Pedro Machado
27/04/2020 - 10h35 - Atualizada em: 27/04/2020 - 12h13
Febratex em Blumenau
Febratex é um dos eventos de Blumenau que já foram adiados (Foto: Patrick Rodrigues, BD)

A pandemia do novo coronavírus já provocou perdas de quase R$ 23 milhões a empresas promotoras de eventos em Santa Catarina, mostra uma pesquisa feita pela Fecomércio-SC em parceria com a Associação Blumenauense de Turismo, Eventos e Cultura (Ablutec) e o Blumenau e Vale Europeu Convention & Visitors Bureau, entidade que atua na captação de eventos. O levantamento consultou 28 empresários do ramo, metade deles de Blumenau, entre os dias 3 e 13 de abril. Juntos, eles geram 2.825 empregos diretos.

​​​> Em site especial, saiba tudo sobre o novo coronavírus

O mapeamento revela que a crise já havia afetado, na época das entrevistas, 75 eventos. Cinquenta e sete deles, com um público estimado de 118 mil pessoas, foram adiados e 18, que reuniriam 26,5 mil visitantes, acabaram cancelados. Mas essa é uma pequena fotografia do segmento, um dos mais afetados pela pandemia justamente por estar vinculado a aglomerações.

A amostra é reduzida e não considera os prejuízos indiretos, que respingam em serviços terceirizados (tradução, recepção, audiovisual, entre outros) e no faturamento de hotéis, bares, restaurantes e demais áreas ligadas ao turismo. Além disso, outros eventos já foram cancelados ou adiados deste então.

— Se juntar tudo isso, o impacto é enorme — diz Develon da Rocha, presidente da Ablutec e do Blumenau e Vale Europeu Convention & Visitors Bureau, embora esse cálculo ainda não exista.

O estudo mostra que quase metade dos eventos adiados foi remarcada para o próximo semestre, mas muitos ainda não foram negociados devido às incertezas sobre o futuro. Empresários disseram estar recebendo cancelamentos de contratos e negativas de potenciais expositores.

O cenário também deve gerar mudanças de paradigmas na realização futura de eventos, em especial nas práticas sanitárias. Além do álcool gel, promotores já consideram a obrigatoriedade de uso de máscaras e a adoção de mecanismos de controle de acesso e de público, entre outros.

Sobre perspectivas de futuro, a pesquisa destaca o depoimento de um dos empresários consultados: “não haverá crescimento dos eventos, haverá uma grande redução de investimento por parte dos expositores e uma desistência significativa de empresas expositoras”. O recado vale para todos os segmentos: o mercado precisará se ajustar a uma nova realidade daqui em diante.

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Mais colunistas

    Mais colunistas