nsc
    nsc

    Economia

    Coronavírus em SC: entidades empresariais voltam a pressionar por retomada da economia

    Compartilhe

    Pedro
    Por Pedro Machado
    30/03/2020 - 19h17 - Atualizada em: 31/03/2020 - 06h16
    Comércio fechado
    Comércio já está fechado há quase duas semanas (Foto: Patrick Rodrigues, BD)

    Entidades empresariais de Santa Catarina voltaram a fazer pressão para que o governo do Estado promova uma reabertura gradual da economia. Em ofício encaminhado nesta segunda-feira (30) ao governador Carlos Moisés, o Conselho das Federações Empresariais de Santa Catarina defendeu o "equilíbrio entre a preservação da saúde da população e a possibilidade de evitar o caos". Integram o grupo a Fiesc (indústrias), Fecomércio (comércio, serviços e turismo), Faesc (Agricultura), Fetrancesc (transportes), FCDL (Câmaras de Dirigentes Lojistas), Fampesc (micro e pequenas empresas) e Facisc (associações empresariais).

    ​Em site especial, saiba tudo sobre o novo coronavírus

    No documento, o Cofem diz que preservar a vida dos catarinenses é prioridade, mas avalia que a "paralisação da economia poderá ter consequências sociais tão graves quanto a própria pandemia", com possibilidade de fechamento de empresas e elevação do nível de desemprego. As entidades também reivindicam que sejam colocadas em prática imediatamente medidas de apoio à sobrevivência dos negócios, como postergação e parcelamento de pagamento de tributos e a oferta de crédito para capital de giro em condições facilitadas.

    O grupo aproveitou o ofício para cobrar que o setor público reduza custos e revise prioridades na aplicação de receitas. "O custo da crise não pode ficar restrito à iniciativa privada e seus trabalhadores", escrevem as entidades.

    Na última semana, o governo do Estado chegou a anunciar uma retomada gradual de diversas atividades a partir desta segunda-feira (30). O governador Carlos Moisés, no entanto, voltou atrás e manteve as restrições para comércios, academias, bares, shoppings e restaurantes por mais sete dias a partir de quarta-feira (1º). A exceção foram bancos, lotéricas e cooperativas de crédito, que já operam parcialmente.

    Confira a manifestação do Cofem na íntegra:

    Posição empresarial sobre a pandemia do coronavírus

    Diálogo, compromisso, solidariedade e equilíbrio

    O COFEM, como o representante do setor empresarial de Santa Catarina, solidário com a sociedade neste momento grave, mas ciente de suas responsabilidades, avalia que, no atual cenário, a paralisação da economia poderá ter consequências sociais tão graves quanto a própria pandemia. Passadas duas semanas de quarentena em Santa Catarina, com redução drástica ou interrupção total do faturamento, as empresas estão diante da necessidade de honrar compromissos como a folha de pagamento e diversos outros, enquanto grande parte das medidas de apoio anunciadas não se materializaram na prática ou se mostram insuficientes.

    Preservar a vida dos catarinenses é prioridade. Sem minimizar a seriedade do problema, contudo, as entidades empresariais catarinenses defendem que, seguindo rigorosos protocolos de segurança e isolamento de grupos de risco, seja autorizada a volta gradativa, mas imediata, das atividades econômicas. Sem isso, muitas empresas, especialmente as pequenas, fecharão e os já elevados níveis de desemprego no País se ampliarão fortemente. O setor empresarial defende o equilíbrio entre a preservação da saúde da população e a possibilidade de evitar o caos. Quem está premido por uma folha de pagamento ou uma família para alimentar sabe o que é isso.

    Na retomada das atividades, o COFEM propõe que seja considerada a interdependência das cadeias produtivas, ou seja, o conjunto de empresas de diversos setores (como agronegócio, indústria, transporte e comércio), que operam de forma integrada para prover produtos e serviços à sociedade.

    Em paralelo a isso, espera-se que sejam postas em prática, imediatamente e sem burocracia, medidas de apoio à sobrevivência das empresas e dos cidadãos e para manutenção dos empregos. Entre estas, destacam-se iniciativas como a já solicitada postergação e parcelamento de pagamento de tributos, em especial do ICMS, e a oferta de crédito para capital de giro em condições condizentes com o momento. Garantir a saúde pública vai além do isolamento, mas passa também pela melhoria da infraestrutura técnica e profissional na área, que precisa ser demonstrada na prática.

    Além disso, as federações empresariais esperam do setor público ações concretas de redução de custos e revisão de prioridades no uso do recurso público. São exemplos disso o adiamento das eleições de 2020, com o redirecionamento do fundo partidário para o enfrentamento da crise, e a concessão de férias e redução de jornada de trabalho do funcionalismo. É uma questão que se impõe, já que também a receita do setor público cairá com a redução da atividade econômica. O custo da crise não pode ficar restrito à iniciativa privada e seus trabalhadores.

    Os catarinenses, certamente, irão se unir, dentro de seu já conhecido espírito de solidariedade, que permitiu superar tantas crises e desastres naturais. Como sempre, o COFEM está à disposição do governo e da sociedade catarinense para aprofundar a contribuição nesse sentido. E, inclusive, já colocou em prática uma série de ações como treinamento, disseminação de informação, distribuição de alimentos, aquisição de ventiladores e equipamentos de proteção, além de suporte logístico e tecnológico. Essa cooperação poderá ser ampliada por meio do diálogo, com a necessária participação empresarial na discussão e planejamento das ações que impactam a economia.

    O COFEM é composto pelas Federações das Indústrias (FIESC), do Comércio (FECOMÉRCIO), da Agricultura (FAESC), dos Transportes (FETRANCESC), das Associações Empresariais (FACISC), das Câmaras de Dirigentes Lojistas (FCDL) e das Micro e Pequenas Empresas (FAMPESC).

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas