nsc
    nsc

    Economia

    Tecnologia e relação mais humanas são as tendências para o mercado de varejo

    Compartilhe

    Pedro
    Por Pedro Machado
    27/01/2018 - 09h46 - Atualizada em: 27/01/2018 - 15h21
    Varejo
    (Foto: )

    Espelhos interativos que permitem configurar a luminosidade do ambiente – e assim saber como a roupa “cai” durante o dia ou à noite –, formas digitais de pagamento das compras, realidade virtual aumentada, estratégias de marketing e relacionamento pensadas exclusivamente para cada cliente.

    O comércio eletrônico pode até crescer ano a ano, mas as lojas físicas não deixarão de existir. Essa é uma das impressões que um grupo de empresários catarinenses traz na bagagem após breve passagem pelos Estados Unidos, com visitas à Retail's Big Show, maior feira do varejo no mundo, a e empresas como Macy's, Eataly, Duane Reade/Walgreens e Whole Foods. A viagem foi organizado pelo Senac e pela Fecomércio-SC.

    Relações mais humanas

    Responsável técnico pela missão, Marcus Vinicius Tutui analisa que a forma de interação entre marca e consumidor mudou e continuará mudando, mas que a essência de tudo é algo que não é segredo para ninguém: o que vale, no final das contas, é o cliente sair satisfeito. Embora as tecnologias ajudem nesta tarefa, há uma tendência de mais humanização nas relações do comércio, como era no passado antes do surgimento de tantos aparatos inovadores.

    – São novas roupagens para conceitos antigos – resume.

    Antes espaços de pré-venda, as lojas físicas terão a missão cada vez maior de prestar um serviço de pós-venda: o cliente já chega determinado a comprar e com o produto em mente, e usará o espaço apenas para testá-lo.

    ​Curta Pedro Machado no Facebook​​​​

    Leia todas as publicações de Pedro Machado

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas