nsc
nsc

Educação

Crianças devem frequentar a escola na pandemia, apontam pediatras de SC

Compartilhe

Renato
Por Renato Igor
10/04/2021 - 05h28
Aulas em Santa Catarina
Aulas em Santa Catarina (Foto: Diorgenes Pandini / Diário Catarinense / Arquivo)

O ano passado foi uma desgraça para a educação brasileira. O ano passado foi uma tragédia para a saúde pública com os milhares de mortos pela Covid-19 e suas consequências na sociedade. A educação foi duramente afetada, ainda mais num país tão desigual como o Brasil, onde a escola é mais do que ensino, é também o local para a mais completa refeição do dia de milhares de crianças, espaço de vital interação e amadurecimento dos jovens e ambiente para identificar casos de abuso sexual  e violência doméstica. 

Restrições em Santa Catarina são prorrogadas até 26 de abril

Fizemos errado. Invertemos prioridades e os governantes preferiram não se incomodar com os sindicatos em detrimento da educação. Enquanto que estava praticamente tudo aberto, as escolas seguiam fechadas.  Agora, em 2021, com o agravamento da pandemia, a educação vive desafio ainda maior e paga um preço alto pelo ano praticamente perdido de 2020. A coluna pediu aos pediatras José Eduardo Coutinho Góes, presidente do departamento científico de pediatria ambulatorial da Sociedade Catarinense de Pediatria (SCP) e Cláudia Maria de Lorenzo, presidente do departamento científico de saúde escolar da SCP para descreverem a situação da educação em meio à pandemia:

A construção do conhecimento das características do vírus SARS- CoV- 2 e da apresentação da COVID 19 na população geral e particularmente nas crianças e adolescentes é muito dinâmica.

Nos primeiros meses de 2020, quando sabíamos muito pouco sobre o vírus e a doença, o fechamento das escolas foi uma medida acertada com o objetivo de reduzir a disseminação do vírus e, consequentemente, o número de casos da doença.

Após alguns meses ficou claro que a doença atinge a população pediátrica de maneira bem menos impactante que a população adulta. As crianças adoecem menos frequentemente, de maneira mais branda e disseminam menos o vírus. Isto não significa que não ocorram casos mais graves e mesmo óbitos nesta faixa etária.

A importância das atividades escolares presenciais tanto em  nível individual como coletivo é indiscutível. O impacto negativo da sua suspensão por períodos prolongados e o baixo risco na piora da disseminação viral são determinantes para serem consideradas atividades essenciais, devendo ser priorizadas em relação a outras atividades sociais (as últimas a fecharem e as primeiras a retornarem).

As escolas são seguras, desde que tenham o seu protocolo de contingência aprovado, e que todos, crianças, pais, professores e outros profissionais que atuam nas instituições de ensino respeitem as medidas sanitárias de prevenção.

Quando em situações de agravamento da pandemia, com disseminação descontrolada do vírus, a transmissão do vírus nas escolas também vai refletir, proporcionalmente, este aumento. Portanto, a análise da situação por epidemiologistas e suas orientações devem ser consideradas e respeitadas.

Leia Mais:

> Mapa Covid de SC hoje: veja em mapa e dados por cidade como está a situação da pandemia

> Calendário da vacina: veja dados da vacinação em cada município de SC no Monitor da Vacina

Renato Igor

Colunista

Renato Igor

Apresentador e comentarista na CBN Diário e NSC TV, Renato Igor faz análises e traz as notícias sobre o que acontece em Santa Catarina e o que influencia os rumos do Estado.

siga Renato Igor

Renato Igor

Colunista

Renato Igor

Apresentador e comentarista na CBN Diário e NSC TV, Renato Igor faz análises e traz as notícias sobre o que acontece em Santa Catarina e o que influencia os rumos do Estado.

siga Renato Igor

Mais colunistas

    Mais colunistas