nsc
    nsc

    Política

    “Não sou Centrão nenhum”, diz Jorginho Mello ao assumir vice-liderança no Senado

    Compartilhe

    Renato
    Por Renato Igor
    30/10/2020 - 18h07 - Atualizada em: 30/10/2020 - 18h31
    Senador Jorginho Mello recebeu a medalha da Ordem do Mérito Aeronáutico em cerimônia com o presidente Jair Bolsonaro
    Senador Jorginho Mello recebeu a medalha da Ordem do Mérito Aeronáutico em cerimônia com o presidente Jair Bolsonaro (Foto: Divulgação)

    O senador Jorginho Mello (PL) não se considera como integrante do Centrão, grupo de partidos que se unem para conseguir maior influência no parlamento e defender, de modo conjunto, seus interesses. Esta é a definição de Centrão, segundo o Politize - organização da sociedade civil sem fins lucrativos (OSC) e que tem a missão de formar uma nova geração de cidadãos conscientes por meio de educação política.

    > Eleições 2020: número de candidaturas barradas pela Ficha Limpa cresce 90% em SC

    “Isso é bobagem de quem não tem o que fazer. Ciúmes de alguém que não tem sucesso e fica dizendo do Centrão. O que é Centrão? Deputados e senadores que votam com a razão, que votam com equilíbrio e não são extremistas nem de esquerda e nem de direita. Eu não sou de Centrão nenhum, eu sou do Partido Liberal”, explicou Jorginho Mello.

    O catarinense assumiu uma das vice-lideranças do governo de Jair Bolsonaro no Senado.

    O PL está na base do governo e tem defendido matérias de interesse do Planalto no Congresso. A sigla recebeu cargos como diretorias do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), órgão com orçamento bilionário do Ministério da Educação, e a Secretaria de Vigilância Sanitária, responsável, entre outras funções, pelo combate à pandemia do coronavírus.

    Confira a entrevista com o senador Jorginho Mello (PL):

    Leia também:

    Mourão contraria Bolsonaro e diz que governo vai comprar vacina desenvolvida na China

    Justiça Eleitoral de SC tira do ar site que fazia enquetes eleitorais em todo o país

    Cenário aponta para retorno de Moisés ao cargo ainda em 2020

    Mais colunistas

      Mais colunistas