nsc
nsc

Ponte segura

Ponte Hercílio Luz balança? Engenheiro explica movimento em dias de vento

Compartilhe

Renato
Por Renato Igor
31/12/2019 - 13h10 - Atualizada em: 03/01/2020 - 10h00
Multidão tomou conta da Hercílio Luz após reabertura (Foto: Tiago Ghizoni/Diário Catarinense)
Multidão tomou conta da Hercílio Luz após reabertura (Foto: Tiago Ghizoni/Diário Catarinense)

O balanço da Ponte Hercílio Luz é normal. A explicação é do engenheiro civil Wenceslau Diotallevy, que trabalhou como fiscal das obras de restauração do principal cartão postal de Santa Catarina. Na segunda-feira (30), no dia de reabertura, quem passou pela ponte sentiu ela balançar um pouco. Ele explica que toda obra de engenharia tem sua oscilação própria.

— São vários fatores que explicam o balanço da ponte. Primeiro, a oscilação própria da estrutura. Ela tem dois movimentos. Tem o movimento ilha/continente e há o movimento transversal, no sentido Norte/Sul provocado pela carga do vento. As duas torres principais na parte de baixo não são fixas, são móveis para movimentos longitudinais. Tem ainda o vento nordeste e a alta temperatura que deforma os materiais, isso foi percebido nesta segunda-feira — explica o engenheiro.

Wenceslau acredita que o balanço da ponte, no dia de sua reabertura, tenha chegado a 30 centímetros.

— Os cálculos apontam que ela, por questões de segurança, não deve ter oscilação superior a 50 centímetros no sentido vertical, mas pode ser mais. Ontem, deve ter chegado a uns 30 centímetros — diz o ex-fiscal das obras da Ponte Hercílio Luz.

O vídeo abaixo registra o balanço:

O vento nesta segunda-feira (30) às 17h atingiu 43,6 km/h na estação meteorológica da Epagri/Ciram, em São José, na Grande Florianópolis. A Ponte Hercílio Luz é preparada para ventos de até 140 km/h.

Ela é toda articulada para absorver esses movimentosWenceslau Diotallevy, engenheiro civil

O engenheiro explica que a estrutura é preparada para esse tipo de situação:

— Ela é toda articulada para absorver esses movimentos com a transferência de carga. Essa é a genialidade do projeto da ponte. O coração ajudou a pulsar junto ontem, por isso, a sensação de balanço ficou maior — diz.

Wenceslau explica que a ponte suporta o peso das pessoas sobre ela, como nesta segunda-feira, e também sua ocupação por caminhões de carga.

Tranquilamente ela pode suportar muito mais do que ela passou por ontemengenheiro civil Wenceslau Diotallevy

— No cálculo dela, ela suporta toda essa massa de gente mais os caminhões da prova de carga. Ela é calculada para essas duas cargas e vento até 140 km/h. A concepção de cálculo, todas as peças, os elementos vazados para não ter resistência. Tudo isso foi pensado, calculado e repensado agora. Tranquilamente ela pode suportar muito mais do que ela passou por ontem- tranquiliza.

A secretaria estadual de infraestrutura divulgou uma nota oficial sobre a segurança da ponte:

A Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade ( SIE) esclarece que a Ponte Hercílio Luz é uma estrutura pênsil sustentada por 360 barras de olhal. Com peso sobre a ponte, a influência do vento e dos saltos de bungee jumping, essas barras se movimentam, o que dá a sensação de balanço. A SIE ainda ressalta que antes de ser liberada para o tráfego, no dia 18 de dezembro, a Ponte Hercílio Luz passou pelo teste de carga, quando 48 caminhões, com 20 toneladas cada, foram e enfileirados sobre a pista. Foram 960 toneladas de peso ao mesmo tempo, o que representa 80% da carga máxima projetada para a Hercílio Luz que está apta e segura ao tráfego.

Confira a entrevista com o engenheiro Wenceslau Diotallevy, ex-fiscal de obras da Ponte Hercílio Luz:

Renato Igor

Colunista

Renato Igor

Apresentador e comentarista na CBN Diário e NSC TV, Renato Igor faz análises e traz as notícias sobre o que acontece em Santa Catarina e o que influencia os rumos do Estado.

siga Renato Igor

Renato Igor

Colunista

Renato Igor

Apresentador e comentarista na CBN Diário e NSC TV, Renato Igor faz análises e traz as notícias sobre o que acontece em Santa Catarina e o que influencia os rumos do Estado.

siga Renato Igor

Mais colunistas

    Mais colunistas