Florianópolis quer tirar o excedente de areia em Jurerê e Canajurê para salvar o trapiche do Iate Clube Santa Catarina Veleiros da Ilha (ICSC). Desde a conclusão do alargamento da faixa de areia, no início de 2020, em Canasvieiras, gradualmente começou um processo de deslocamento de areia, estimado em 30 mil m³, para as vizinhas Jurerê e Canajurê.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

O trapiche do ICSC, em Jurerê, está comprometido. 

— A areia está acumulando rapidamente nos últimos dias e está engolindo o trapiche, o que tornará seu uso inviável. A faixa de areia alcançou a metade do trapiche e, provavelmente, com o tempo, atividades como pesca, embarque, desembarque e outras não serão mais possíveis. Também as áreas próximas estão gradativamente assoreando —, comentou à coluna Luiz Fernando Beltrão, Comodoro do ICSC – Veleiros da Ilha.

Veja fotos do avanço da areia no trapiche:

Continua depois da publicidade

A prefeitura realiza estudos e já procurou o Instituto de Meio Ambiente (IMA/SC) em busca do licenciamento ambiental e de alternativas técnicas. Existem, ao menos, duas possibilidades: devolver a areia para Canasvieiras ou utilizar esse volume na obra de engordamento da faixa de areia em Jurerê.

BID

A prefeitura busca um financiamento no BID para um inédito projeto no país de um Plano de Manejo da Orla. Dentro do programa de resiliência e mudança climática do Banco Interamericano de Desenvolvimento, o executivo municipal quer ter um plano de manutenção permanente das praias para tratar questões como o avanço do nível do mar.  

Leia Mais:

Decreto em SC obriga 100 mil servidores a atualizar cadastro e determina prazo

A permuta como caminho para se tornar milionário no mercado imobiliário de SC

Reservatório da Casan que se rompeu teve ferro 50% menos espesso na construção

Casan não sobrevive sem São José e Florianópolis

Destaques do NSC Total