nsc
    nsc

    Economia

    Retomada: agora é a hora de Santa Catarina mostrar que é diferente 

    Compartilhe

    Renato
    Por Renato Igor
    20/04/2020 - 19h27 - Atualizada em: 21/04/2020 - 08h01
    Governador Carlos Moisés e secretário da Saúde de SC Helton Zeferino (Foto: Julio Cavalheiro / Secom)
    Governador Carlos Moisés e secretário da Saúde de SC Helton Zeferino (Foto: Julio Cavalheiro / Secom)

    Agora é a hora de Santa Catarina mostrar que é diferente. A propaganda institucional do Estado sempre apontou que aqui é diferente do Brasil. Os nossos indicadores sociais, econômicos e culturais nos colocam num patamar bem acima da média nacional em saúde, educação e renda, por exemplo. Pois vamos precisar desses valores, agora, para fazer com que a liberação de diversas atividades econômicas a partir dessa semana deem certo.

    Foi surpreendente o anúncio desta segunda-feira (20) feito pelo governador Carlos Moisés pelo fato de que não havia expectativa nesse sentido. O cenário recente ainda era o de restrições até o final de abril e maio. Por isso, a surpresa.

    A liberação pode ser boa ou ruim. Seu sucesso vai depender da qualidade da base de dados em que Santa Catarina se baseou para a tomada de decisão e, também, do comportamento dos catarinenses.

    ​​​> Em site especial, saiba tudo sobre o coronavírus

    Se praticarmos educação em saúde, com as normas de higiene e etiqueta e o setor produtivo for rigoroso no respeito às normas, há chance da retomada dar certo. Caso isso não ocorra, teremos retrocesso, mais mortes e doentes e nova paralisia nas atividades. Sem respeito às regras, pode ser tiro no pé, com piora nos números e pressão no sistema de saúde.

    A responsabilidade não é apenas do governo. Precisa ser compartilhada por todos que aqui vivem e trabalham.

    > Painel do Coronavírus: veja em mapas e gráficos a evolução dos casos em Santa Catarina

    Fica no ar, entretanto, qual será a postura do prefeito de Florianópolis Gean Loureiro. A Capital tem 238 casos confirmados do novo coronavírus. Na economia da cidade, 41.341 pessoas ficaram desempregadas desde o início da crise. A pesquisa foi realizada em parceria com a ACIF, CDL Florianópolis, Acate e Abrasel.

    > Lives de hoje: veja o cronograma das transmissões ao vivo

    Achar o ponto de equilíbrio entre preservação da vida e a tragédia do desemprego é o grande desafio do prefeito. Torço para que os indicadores já apontem a retomada segura.

    Leia também:

    Gean Loureiro anuncia nesta terça-feira se flexibiliza quarentena em Florianópolis

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas