nsc
nsc

Esporte

Para onde está indo o futebol catarinense?

Compartilhe

Roberto
Por Roberto Alves
05/12/2020 - 07h00
Jogadores da Chapecoense celebram gol marcado em uma das vitórias pela Série B do Brasileiro, na Arena Condá
Jogadores da Chapecoense celebram gol marcado em uma das vitórias pela Série B do Brasileiro, na Arena Condá (Foto: Márcio Cunha/ACF/Divulgação)

Em 2009, o Avaí fez a melhor campanha de um time catarinense no Campeonato Brasileiro da era de pontos corridos. O 6º lugar chamou atenção para o nosso futebol. O Figueirense já foi 7º colocado e em 2015 colocamos quatro times na elite que é a Série A. Crescemos muito no cenário nacional e passamos a ser olhados com interesse, um novo mercado.

> Quer receber notícias por WhatsApp? Inscreva-se aqui

Até hoje não conseguimos definir se isso ocorreu por questões de gestão administrativa um pouco mais profissional ou simplesmente pelo fato de os clubes formaram naqueles anos grupos de qualidade. A verdade é que entramos no cenário nacional com algum respeito.

Pois, em 2020 estamos jogando tudo fora. E não podemos atribuir totalmente à pandemia o que anda acontecendo. Ela atingiu a todos os clubes brasileiros e não apenas os de Santa Catarina. Fazemos a pior campanha dos últimos anos em todas as séries do Campeonato Brasileiro.

Corremos risco a cada rodada e a rigor neste momento apenas a Chapecoense nos passa um fio de esperança de que podemos voltar a Série A em 2021. Em compensação, poderemos ter quedas significativas. O pior de tudo é que estamos realmente num momento delicado de pouco futebol e de administrações fora da curva. 

> Geninho pede para ser demitido e direção do Avaí aceita

Série B

O Figueirense é a grande preocupação. Tenta se recuperar fora de campo de uma gestão desastrosa, mas não consegue FAZER uma campanha que transmita esperança À torcida. A zona de rebaixamento, onde se encontra, o mau futebol e alguns equívocos com jogadores não comprometidos, além de problemas financeiros, estão machucando um dos grandes clubes do futebol brasileiro. Uma reação urgente precisa acontecer para evitar o pior, que seria o rebaixamento. 

> Passeio do Oeste e vexame avaiano na Ressacada

Investimento 

O Avaí rotulou 2021 como o ano do retorno à Série A. Investiu, formou um grupo de nomes famosos, foi a Portugal buscar um técnico que durou pouco e nada tinha a ver com o nosso futebol, reinventou Geninho e não decolou em campo. A campanha de altos e baixos e de um futebol nada convincente ainda chega perto do grupo de classificação, mas não consegue entrar nele. Futebol pobre, jogadores que não confirmaram o que deles se esperava, esquema de jogo confuso e resultados mais ainda. Tem chances de recuperação pelo elenco que formou, mas precisa se reinventar.

> Com o empate em Ponta Grossa, Avaí segue sem sair do lugar

Decepção

Na Série C, a grande decepção do futebol atual: o Criciúma, já eliminado e com lugar garantido na terceira divisão de 2021. O problema parece ser mais fácil de identificação com uma gestão que não deu certo sob o comando do empresário Jaime Dal Farra. A formação do elenco foi um dos grandes problemas. Baixa qualidade. Resultados negativos. Estamos precisando do grande Criciúma como forma de fortalecer nosso futebol. Uma nova administração está chegando e quem sabe as coisas mudam.

> Covid-19 tira Lewis Hamilton do GP de Sakhir de F-1

E o Brusque?

Nosso outro representante na Série C vem de uma evolução a olhos vistos. Único time catarinense que não tinha o que reclamar da pandemia até determinado momento. Foi atingido depois de ganhar a Série D, Copa SC, Recopa e vice-campeão estadual. Líder da Série C com uma campanha que levou à ponta com uma larga diferença e um futebol não questionado. De repente, desceu a ladeira e agora vai disputar uma vaga à próxima etapa que estava mais que garantida. E contra quem? Olha a situação: contra o Criciúma, que precisa vencer para não cair para a Série D. Era tudo que não podia acontecer.

> Times catarinenses na Série C estão em situação delicada

A esperança

Na quarta divisão mais um fracasso do Joinville. Foi eliminado já na primeira fase. O grande campeão estadual de outrora passou por gestões desastrosas, que nada tinham a ver com o futebol. Depois de Nereu Martinelli, o clube desandou. O JEC tem formado grupos que sequer chegam à decisão do Estadual. A grande força do futebol de SC está vivendo do nome adquirido, por mais lamentável que seja.

O futuro ex-grande clube catarinense, o Tubarão cuja projeto era ambicioso e internacional despencou com a saída do presidente Luiz Henrique, aliás até hoje não explicada. Fez uma campanha ridícula na Série D deste ano.

A salvação veio do Vale do Itajaí, com o Marcilio Dias. O Marinheiro tenta voltar a ser o grande clube da região, classificou para a fase seguinte com uma administração que busca recuperar o tempo perdido.

> Guga: um feito que jamais será esquecido

Conclusão

Vivemos um dos piores momentos do nosso futebol. Estamos correndo riscos em todas as séries em nível nacional. Apenas a Chape está em processo evolutivo, com um futebol competitivo e de resultados. Tem tudo para voltar à elite, com uma nova administração comandada pelo presidente Paulo Magro. A pandemia pode ter participação, e certamente tem nesse momento muito ruim, mas não é de todo o maior problema.

> Marcílio Dias vence e avança à 2ª fase da Série D do Brasileiro

Toque do Bob

O ano está sendo tão ruim no futebol catarinense que passou despercebida a divulgação da Seleção do Campeonato Catarinense na última semana. Aliás, fora de hora. A propósito, a dupla da Capital não colocou nenhum jogador, o que revela a fragilidade das participações.

Estamos carentes. Procurar hoje um craque no futebol do Estado é procurar uma agulha no palheiro. No máximo, um bom jogador. Revelação? Difícil. A fase realmente é preocupante.

Neste ano de pouca qualidade no futebol catarinense, nos preocupa chegar a mesma situação que atingiu o futsal da capital. Outrora um show, hoje fora do cenário.

É hora de valorizar o futebol feminino, que neste final de semana decide o Campeonato Brasileiro através do Avai/Kindermann contra o Corinthians, em São Paulo. No primeiro jogo, empate sem gols. O jogo é domingo no Itaquera.

Quatro anos do acidente com o avião da Chapecoense marca também a ausência do ex-presidente da FCF, Delfim Peixoto Filho, que estava no fatídico voo para a Colômbia.

A estreia da nova programação da CBN/Diário acompanhada do novo canal de FM 91.3 no último dia 27 mostrou força e prestígio. O Debate Diário, que passou a ser transmitido às 11h, teve a presença do técnico Tite, da Seleção Brasileira, em um momento raro de entrevista exclusiva  ao programa. Excelente.

> Brusque: um desastre histórico

Roberto Alves

Colunista

Roberto Alves

Referência por resgatar a memória do Esporte catarinense, fatos do dia a dia e pitorescos, misturando bom humor e seriedade na dose certa.

siga Roberto Alves

Roberto Alves

Colunista

Roberto Alves

Referência por resgatar a memória do Esporte catarinense, fatos do dia a dia e pitorescos, misturando bom humor e seriedade na dose certa.

siga Roberto Alves

Mais colunistas

    Mais colunistas