O pacote de investimentos necessários para ampliar a capacidade de acessos dos portos da baía da Babitonga tem estimativa próxima a R$ 1,3 bilhão, entre as obras exclusivas para o complexo portuário e as intervenções de impactos mais amplos. O conjunto está elencado na Agenda da Infraestrutura da Fiesc 2024. Na nona versão, o documento traz a lista de obras necessárias em transporte e logística em Santa Catarina, no diferentes modais (inclusive para os demais portos do Estado). Na relação de investimentos, há obras em andamento, preparação ou necessárias para longo prazo. O levantamento traz também outras intervenções nos portos, como ampliação ou novos berços de atracação.

Continua depois da publicidade

Entre na comunidade do WhatsApp de Colunistas do NSC Total

As três principais obras para melhoria nos acessos dos portos da Babitonga são a aprofundamento do canal externo, duplicação da BR-280 e contorno ferroviário. A dragagem do canal atende aos portos de São Francisco do Sul e Itapoá, permitindo a passagem de navios cargueiros de maior porte. O governo do Estado está buscando fonte para os R$ 300 milhões necessários – uma das possibilidades é a concessão à iniciativa privada, a ser remunerada com tarifas. O aprofundamento do canal interno, também prevista na Agenda da Infraestrutura, está estimado em R$ 78,4 milhões.

O contorno ferroviário, com custo estimado em R$ 350 milhões, é para movimentação de cargas nos portos de São Francisco do Sul. As obras pararam em 2011, para revisão do projeto. O edital para a retomada chegou a ser lançado no ano passado, mas foi revogado, para alterações. A duplicação da BR-280, de acesso rodoviário aos terminais portuários de São Francisco, está parada desde 2022 no lote 1, para revisão. O trecho paralisado fica entre Araquari e São Francisco e não há estimativa de quando os trabalhos voltam.

Continua depois da publicidade

Mais obras

Além da duplicação da rodovia federal, há obras previstas para o acesso direto aos portos de São Francisco, como o acesso rodoferroviário, com custo de quase R$ 25 milhões. Ainda entre as obras com impacto nos terminais portuários da Babitonga, o documento da Fiesc lista as duplicações das SCs 416 e 417, em Itapoá. O investimento solicitado na ampliação das duas rodovias estaduais passa de R$ 200 milhões. Também há pedido de ampliação de estrada municipal de acesso ao porto.

Agenda da Fiesc de infraestrutura

Qual a pauta de investimentos para o complexo portuário da Babitonga

Duplicação da BR-280

Lote 1 – Porto de São Francisco do Sul até BR-101

Valor remanescente: R$ 301,4 milhões

A Agenda da Fiesc incluiu os demais dois lotes da duplicação. O lote 1 é citado aqui por ser de acesso direto aos portos de São Francisco.

Melhoria no acesso rodoviário do porto de São Francisco do Sul

Valor Estimado: R$ 10 milhões

Construção de contorno ferroviário no município de São Francisco do Sul

Valor Estimado: R$ 350 milhões

Elaboração de Projeto do acesso rodoferroviário (pera) do Porto de São Francisco do Sul

Valor Estimado: R$ 24,6 milhões

Complexo portuário (Itapoá e São Francisco do Sul)

Dragagem de aprofundamento para 16 metros e retificação de uma curva, no canal de acesso externo

Valor Estimado: R$ 300 milhões

Projeto de aprofundamento do canal interno

Valor Estimado: R$ 78,4 milhões

Duplicação da SC-416, em Itapoá

Valor Estimado: R$ 161,5 milhões

Duplicação da SC-417, em Itapoá

Valor Estimado: R$ 50,8 milhões

Duplicação de 10 km da estrada municipal José Alves, em Itapoá

Valor Estimado: R$ 20 milhões

Destaques do NSC Total