Os investimentos na orla da Vigorelli se transformaram na face mais visível do fenômeno, mas há outras situações apontando mudanças na relação de Joinville com a baía da Babitonga. Ainda nesta semana, foi entregue o plano de manejo do Morro do Amaral: ainda que o principal objetivo seja definir o planejamento de unidade de conservação, com diretrizes para o núcleo populacional e preservação ambiental, o turismo está presente no documento. Se incluída a área de expansão urbana do Cubatão e a consolidação do Espinheiros como polo gastronômico e nova frente de empreendimentos imobiliários, é possível apontar o novo momento na porção joinvilense da Babitonga.

Continua depois da publicidade

Entre na comunidade exclusiva de colunistas do NSC Total

O plano diretor do Morro do Amaral, contratado após determinação judicial em ação do Ministério Público – afinal, se tratada de dispositivo obrigatório em uma unidade de conservação, aponta as regras de uso e preservação da área de 345 hectares. Localizada junto à Babitonga, a localidade conta com uma das comunidades mais tradicionais de Joinville – e são justamente a cultura local, a pesca artesanal e a culinária apontados como atrativos turísticos, além das paisagens da Babitonga.

Confira imagens da Babitonga na região de Joinville

Continua depois da publicidade

Na Vigorelli, o acordo da prefeitura com o Ministério Público Federal em 2021 permitiu uma série de investimentos, encerrando uma ação iniciada em 1999 e liberando, enfim, a pavimentação integral do acesso à localidade. Além da infraestrutura para os moradores, a Vigorelli ganhou mais força para o turismo, principalmente com a reurbanização que valorizou a orla.

Em região próxima ao Vigorelli, a área de expansão urbana Proteção da Paisagem Campestre traz novas regras de ocupação para uma região de 4,5 mil hectares em região ao Norte de Joinville. A regulamentação da área, em análise na Câmara dos Vereadores, prevê um setor náutico, onde já funciona o polo de marinas, perto da foz do rio Cubatão – que deságua na Babitonga. Além do segmento náutico, o turismo rural poderá ganhar incentivo com o novo zoneamento.

Em outra localidade às margens da Babitonga, o Espinheiros, a via gastronômica especializada em frutos do mar está consolidada e, agora, o bairro está entrando em nova fase, com mais empreendimentos imobiliários em construção ou preparação. Um novo acesso está em estudos para atender à demanda viária. A orla junto à Babitonga ganhou melhorias na década passada e outras melhorias, como trapiches, estão previstos. O Espinheiros se junta aos exemplos da Vigorelli, Morro do Amaral e Cubatão de que a relação com a Babitonga, está mudando: caberá ao tempo contar quando a época do “de costas para mar” for passado.

Mais dois locais terão radares em Joinville

Representação sobre dívida com empresas de ônibus de Joinville é arquivada

O que será feito das ruínas de antiga construção de hotel de luxo em praia de SC

Prefeitos aprovam estudo “ampliado” sobre construção de ponte entre duas cidades de SC

Ciclofaixa e corredor de ônibus vão ficar junto ao canteiro central em avenida de Joinville

VÍDEOS: Como está a montagem de fogueira gigante em cidade de SC

Ponte de 12 km na Bahia será construída por PPP; modalidade pode ter estudo em Joinville

Destaques do NSC Total