nsc
    nsc

    Restrições

    Novo decreto de Joinville vai prorrogar medidas contra Covid

    Compartilhe

    Saavedra
    Por Saavedra
    26/04/2021 - 12h52
    Restrição de circulação em Joinville continua valendo no intervalo entre 23h e 6h: apenas serviços essenciais podem funcionar
    Restrição de circulação em Joinville continua valendo no intervalo entre 23h e 6h: apenas serviços essenciais podem funcionar (Foto: Arquivo AN)

    No decreto a ser publicado nesta segunda-feira, a prefeitura de Joinville deverá prorrogar as medidas de restrição por mais sete dias. A mudança no decreto estadual em vigor a partir desta segunda-feira, com liberação para a permanência em parques e praças, já vinha sendo adotada na cidade desde a semana passada. Joinville poderá ter mudanças na próxima semana, caso a classificação caia de “gravíssimo” para “grave” na matriz de risco do governo do Estado, mas serão necessárias alterações também no decreto estadual - hoje, a maioria das restrições no municípios está vinculada às diretrizes do Estado.

    > Joinville tem nova proposta para futuro da Vigorelli

    > Em edital, Joinville busca ampliar locais de vacinação contra Covid

    > Para incentivar navegação, Joinville planeja instalar cais flutuantes​​​​

    > Receba notícias de Joinville e do Norte de SC por WhatsApp

    Na atualização do último sábado, Joinville e região apareceram, mais uma vez, em situação “gravíssima”. No entanto, a pontuação de risco da regional Nordeste caiu e ficou em 3,125: se tiver redução para 3, a classificação passa a ser “grave”. Portanto, Joinville tem chance de recuar para "grave" no próximo sábado.

    Nas portarias do governo do Estado divulgadas no final do ano passado, foi feita uma vinculação de medidas conforme a matriz. A maioria das regras aborda a possibilidade de ocupação maior em caso de classificação em faixas de menor risco – e caso de “moderado”, mais atividades são liberadas. No entanto, o decreto estadual em vigor desde março proíbe uma série de atividades, “em todos os níveis de risco” e limita a lotação máxima em 25% da capacidade de uma série de estabelecimentos. Portanto, eventual ampliação da lotação, ainda que ocorra recuo na matriz, vai depender de mudança no decreto.

    Mais colunistas

      Mais colunistas