publicidade

Navegue por
Sérgio

Crônica

Floripa derreteu

Compartilhe

Por Sérgio da Costa Ramos
21/01/2019 - 05h00 - Atualizada em: 21/01/2019 - 05h00
Calor em Florianópolis
(Foto: )

Itaguaçu, 40 graus. Sensação de 50. Só para combinar com a nova temporada de escândalos entre políticos.

Calorão. Vislumbrei uma gota de suor escorrendo da testa do gigante do Cambirela - e pensei: talvez exista mesmo o tal de “aquecimento global”.

Se até já nevou no gigante, por que nele não se haveria de flagrar a confirmação daquele castigo bíblico –  o de suar pelos poros do próprio rosto?

Os astrônomos registram que o Sol está mais perto da Ilha. O nariz do Cambirela, sem uma proteção fator-30, transformou-se numa imensa mancha marrom, bem visível da Baía Sul.

No mar, o primeiro sinal de rebeldia da natureza  foram as vísceras quase expostas do velho trapiche de Coqueiros, cujas pernas emergiram à meia canela.

Se Orson Welles fosse irradiar outra “ficção-desastre”, como aquela da Nova York de 1938, não seria com marcianos invadindo a Terra. Mas o planeta se liquefazendo de calor, cada cantinho transformado num fogareiro...

°°°

Seria mais ou menos assim:

“A figueira da Praça XV desfolhou-se da noite para o dia, como se acometida de alguma praga egípcia. E no último dia de janeiro de 2019, a Ilha começou a derreter com um calor de “rachar catedrais”, na comparação de Nelson Rodrigues.

O diâmetro do Sol – lareira circular – aumentava a cada aurora. E ao meio-dia da véspera do Ano Novo as temperaturas já ultrapassavam os 50 graus. Todos os regatos secaram e as duas Lagoas bem que poderiam ser chamadas de “poças”...

A previsão do tempo era uma só: mais sol! O calor começou a abalar o metabolismo orgânico e psíquico da cidade, cujo povo já padecia dos “sinais exteriores” daquela fornalha. Mãos inchadas, rosto queimado e vincado, lábios talhados e corações em desespero.

A última bica d`água, escondida no santuário da Serra do Mar, esgotou-se durante a última campanha eleitoral. De olho nas próximas eleições, os políticos distribuíram amostras de “h2o” para os eleitores, junto com um versinho:

Água boa do arroio/

Lhe arranjo sem demora/

Um golinho vai agora/

Outro após o seu apoio”...

°°°

A moleira dos viventes frigiu ao sol, na caçarola dos grandes engarrafamentos. Sedentos, os motores também se derretem e os motoristas têm que abandonar os seus  veículos, como se eles fossem lagartixas mortas.

Leia outras crônicas

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação