O governador Carlos Moisés (PSL) começou 2020 com um pedido de impeachment à sua porta. Uma equiparação salarial mal explicada entre os procuradores do Estado e dos da Assembleia Legislativa levou à apresentação da peça por um defensor público insatisfeito. Escrevi na época que não havia clima para impeachment em Santa Catarina. O mundo mudou muito nestes poucos meses, todos sabemos. Agora, em meio à pandemia e com o governo chamuscado por uma compra milionária e suspeita de respiradores, Moisés começa a viver aquilo que em política se chama de tempestade perfeita.

Continua depois da publicidade

Ninguém sofre impeachment porque cometeu um crime. Ou melhor, ninguém sofre impeachment apenas porque cometeu um crime. É preciso somar à receita a perda quase que completa de base parlamentar e ausência de respaldo popular. Em janeiro tínhamos uma denúncia complexa demais para ser traduzida, um governo com adesão de mais ou menos metade dos parlamentares e uma sociedade ainda dando crédito ao governo da chamada nova política.

O cenário é completamente outro em maio de 2020. Já se passou uma semana que veio à tona a operação que fez Santa Catarina gastar R$ 33 milhões por 200 respiradores para leitos de UTI específicos para tratamento do covid-19 – dinheiro pago por aparelhos ainda não entregues para uma empresa que não apresenta nenhuma garantia de que terá condições de completar o negócio. Uma denúncia facilmente traduzível, que se soma a outras tentativas de compras nebulosas feitas durante a crise do coronavírus.

Na sociedade, a imposição de medidas restritivas para conter o avanço da pandemia colocou Moisés em contraponto ao fã-clube do presidente Jair Bolsonaro – o que garante um claque estridente fazendo oposição 24 horas por dia. Além deles, entidades do setor produtivo e empresários se levantaram contra o que consideravam exagero nas medidas. Ao afrouxar as restrições, Moisés perdeu o apoio dos que defendiam o rigor, sem ganhar adeptos do outro lado. É um governo sem torcida.

Na Assembleia, a base difusa montada no primeiro ano se esfacelou em poucas semanas. Em boa parte pela atuação do secretário da Casa Civil, Douglas Borba, após assumir acumuladamente a posição de secretário-geral do PSL. A formação do time pesselista para as eleições de 2020 causou fissuras nos aliados duramente conquistada, com críticas por aliciamento de lideranças nas bases dos apoiadores. Avolumaram-se, também, as críticas de que Moisés não atende, não recebe e sequer ouve os parlamentares. A crise do coronavírus terminou de dissolver a pretensa base parlamentar, com a bancada do MDB abandonando o barco.

Continua depois da publicidade

A tempestade perfeita de Moisés tem na Assembleia uma CPI com ampla maioria escancaradamente oposicionista para investigar a compra dos respiradores, uma comissão especial passando pente fino em todos as ações de combate à pandemia e um pedido de impeachment apresentado pelo ex-líder do governo Maurício Eskudlark (PL). Fora do parlamento, Ministério Público de Santa Catarina, Polícia Civil e Tribunal de Contas do Estado avançaram fortemente nas investigações com o Operação O2. Não é um cenário improvável que a vice Daniela Reinher (PSL) tenha que mudar de residência oficial.

Artigo publicado nas edições das revistas DC, AN e Santa de 9 de maio de 2020.

Destaques do NSC Total