nsc

publicidade

Upiara

Operação Chabu

Gean encara câmeras e microfones para tentar conter desgaste político

Compartilhe

Por Upiara Boschi
19/06/2019 - 19h20
Prefeito afastado da Capital iniciou ofensiva midiática para tentar reduzir desgaste com a rápida prisão na Operação Chabu. Foto: Tiago Ghizoni

Assim que deixou a sede da Polícia Federal em Florianópolis, após passar o dia e parte da noite de terça-feira detido por determinação judicial no âmbito da Operação Chabu, da Polícia Federal, Gean Loureiro iniciou sua própria operação. Com uma transmissão ao vivo nas redes sociais e uma longa entrevista coletiva, deflagrou a tentativa de minimizar os danos da rápida prisão e do afastamento do cargo de prefeito da Capital que ainda não conseguiu derrubar.

Essa operação para reduzir o estrago político se manteve ontem com participações ao vivo em emissoras de rádio e televisão. Gean precisava mostrar firmeza nas respostas e na tese de que foi injustiçado com a prisão temporária em uma investigação em que não seria alvo, mas alguém citado indevidamente. Um equívoco que teria começado a ser desmanchado com a revogação da prisão no mesmo dia e que logo seria encerrado com a volta ao cargo de prefeito.

O ex-emedebista mostrou essa firmeza diante de câmeras e microfones. No entanto, a quarta-feira terminou com o vice-prefeito João Batista Nunes (PSDB) ainda no exercício do cargo. A defesa de Gean apresentou o pedido junto ao Tribunal Regional Federal da 4a Região para que fosse derrubada o afastamento por 30 dias, mas não há prazo o desembargador federal Leandro Paulsen analisá-lo.

Desde que foi solto, Gean controla a narrativa diante do silêncio da PF. Ele relata o que se investiga, o que se pergunta, o que os delegados comentaram sobre suas respostas, quais os encaminhamentos possíveis, etc. Entretanto, enquanto não houver uma posição oficial da instituição, é sempre bom lembrar que o prefeito afastado é parte da investigação - em uma profundidade e nível de protagonismo ainda a ser revelado.

Cautelosa na terça-feira, a oposição ao prefeito reagiu à tentativa de minimizar os efeitos da prisão. Os vereadores que compõem o bloco de esquerda - Afrânio Boppré (PSOL), Lela (PDT), Lino Peres (PT) e Marquito (PSOL), soltaram nota em que ironizam a suposta “trama política contra o prefeito”, “usando agentes da PF de Brasília e um desembargador do TRF-4”. Vereador e pré-candidato a prefeito, Pedrão Silvestre (PP) cobrou a versão dos investigadores para que se dê a dimensão do envolvimento de Gean na Operaçao Chabu.

- As respostas do prefeito fazem parecer que ser preso pela Polícia Federal e ser conduzido a prestar depoimento é algo supernatural. Não é - diz o pepista.

Leia também:

Prisão de Gean Loureiro mexe com cenário político da Capital

Deixe seu comentário:

Upiara Boschi

Upiara Boschi

Upiara Boschi

Faz a leitura e a análise do contexto do cenário político de Santa Catarina, com informações de bastidores. Explica motivações e consequências das principais decisões tomadas nos poderes do Estado.

upiara.boschi@somosnsc.com.br

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade