nsc

publicidade

Memórias de presidência

Livro de FHC rememora rivalidades que perderam o sentido e traz elogios aos Amin

Compartilhe

Upiara
Por Upiara Boschi
02/11/2019 - 15h45 - Atualizada em: 03/11/2019 - 16h52
Fernando Henrique teve boa relação com Esperidião e Angela Amin, governador e prefeita quando ele estava na presidência. Foto: Acervo pessoal
Fernando Henrique teve boa relação com Esperidião e Angela Amin, governador e prefeita quando ele estava na presidência. Foto: Acervo pessoal

A revista Piauí deste mês trouxe um aperitivo do quarto volume das memórias de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) enquanto ocupava a Presidência da República. A nova edição tem como foco os dois últimos anos do tucano no poder e a passagem de bastão para Lula (PT) em 2003. Nos registros, gravados pelo ex-presidente à época e revisados agora, Fernando Henrique critica o tom populista das falas de Lula na campanha, lamenta que José Serra (PSDB) não tenha defendido o governo e mostra surpresa com o tom agradável das conversas com o petista após a eleição.

Há breves comentários sobre políticos de Santa Catarina. No dia do segundo turno das eleições, lamentou a derrota de Esperidião Amin para Luiz Henrique.

- Lastimo, Amin foi bom governador. E o Luiz Henrique acabou apoiando o PT, o que me pareceu um pouco exagerado, embora ele tenha sido amigo meu a vida toda e o Amin seja um amigo mais recente.

A segunda citação à política catarinense no trecho apresentado pela Piauí também envolve a proximidade que teve à época com a família Amin. FHC relata a visita da então prefeita de Florianópolis, Angela Amin, ao Palácio do Planalto, naqueles últimos dias de governo. A descrição tem poucos detalhes, mas é bastante elogiosa.

- Sempre muito simpática, que me trouxe algumas ostras e veio fazer alguns pedidos muito corretos - resumiu FHC.

Ler as páginas do diário do tucano quando presidente na época da transição do poder entre tucanos e petistas em plano nacional, Amin e Luiz Henrique no nível estadual, é como viajar no tempo. As rivalidades estavam postas e as disputas foram duras. Na reta final da campanha, com Lula mais do que favorito para a vitória, Serra apelou para um discursos que hoje está na moda. Um dos jingles dizia “muda meu Brasil, mas não muda de bandeira, a onda é verde-amarela, ela não é vermelha”. Na época, não surtiu efeito e FHC fez a mais cordial das transições de governo entre adversários. Três derrotas tucanas depois fizeram o antipetismo subir o tom e ver o PSDB como mero sparring.

Em Santa Catarina, a aliança entre Luiz Henrique e o PT pouco durou, mas o peemedebista soube manter Amin isolado e colecionar vitórias eleitorais - dele e de aliados. Hoje senador, Amin voltou à ribalta apenas 2011, como deputado federal.

Com Jair Bolsonaro no Planalto e Carlos Moisés na Casa d’Agronômica - nomes inacreditáveis naquele fim de 2002 - tudo parece tão deslocado. Talvez por isso tanta gente hoje ache que petistas e tucanos são tons diferentes de esquerdismo, que Amin e Luiz Henrique são apenas ícones da chamada velha política. Perdemos a nuance.

Publicado nas edições de DC Revista, AN Revista e Santa Revista de 2/11/2019

Leia a coluna da semana passada:

A recalibragem das bússolas de política ainda está em andamento

Deixe seu comentário:

Upiara Boschi

Colunista

Upiara Boschi

Faz a leitura e a análise do contexto do cenário político de Santa Catarina, com informações de bastidores. Explica motivações e consequências das principais decisões tomadas nos poderes do Estado.

siga Upiara Boschi

Upiara Boschi

Colunista

Upiara Boschi

Faz a leitura e a análise do contexto do cenário político de Santa Catarina, com informações de bastidores. Explica motivações e consequências das principais decisões tomadas nos poderes do Estado.

siga Upiara Boschi

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade