nsc
nsc

Discurso

No Cosud, Moisés e Dória pregam conciliação nacional

Compartilhe

Upiara
Por Upiara Boschi
20/10/2019 - 17h49 - Atualizada em: 20/10/2019 - 18h01
Encontro dos governadores do Sul e do Sudeste no final de semana em Florianópolis foi marcado por discursos de pacificação do ambiente político e defesa do diálogo entre diferentes. (Foto: Ricardo Wolffelbüttel, Secom/Divulgação)

Com o país conflagrado politicamente e em meio a uma crise que racha o partido do presidente da República, o quinto encontro dos governadores dos Estados do Sul e do Sudeste, realizado entre sexta e sábado em Florianópolis, trouxe uma mensagem de diálogo, de conciliação. Mais do que uma mensagem, uma tentativa de ocupar um espaço de peso no tabuleiro do poder.

O encontro do Cosud (Consórcio de Integração Sul e Sudeste) na Capital catarinense mostra a consolidação do grupo que reúne os governadores que representam 70% do PIB brasileiro. Anfitrião da vez, coube a Carlos Moisés da Silva - único filiado ao PSL no grupo - trazer uma mensagem de conciliação nacional. Ele enfatizou a relação entre os comandantes dos Estados do Cosud como um exemplo ao Brasil de um “tom pacífico, moderado, para que a gente possa juntar esse Brasil através do nosso exemplo”.

Defendeu, ainda, que falas e ações dos governantes deem “um tom conciliador, um tom de religação do Estado brasileiro como Estado único que tenha como objetivo do desenvolvimento sustentável e do engrandecimento do nosso povo”. Impossível não lembrar que a fala veio ao fim da semana em que o PSL digladiou-se em praça pública em uma disputa entre os deputados federais ligados a Jair Bolsonaro e ao presidente da sigla, Luciano Bivar - um racha que atinge também as bancadas catarinenses.

A fala de Moisés foi registrada e elogiada pelo governador paulista João Dória (PSDB), possível candidato a presidente em 2022. O tucano defendeu “entendimento e diálogo, ainda que entre opostos” e que disse que “o tema da conciliação é algo que nós precisamos para avançar no Brasil e termos um país conciliado, pacificado”. Doria defendeu também que os Estados do Cosud se preparem para apresentar conjuntamente a suas assembleias legislativas as adaptações à reforma da previdência caso não seja aprovada no Congresso a PEC paralela que estende os efeitos das mudanças a Estados e municípios.

Há um espírito de cooperação no grupo - que inclui os governadores Eduardo Leite (PSDB-RS), Ratinho Junior (PSD-PR), Romeu Zema (Novo-MG), Wilson Witzel (PSC-RJ) e Renato Casagrande (PSB-ES). Com exceção do capixaba, todos eles tem filiações a partidos que orbitam o campo da centro-direita e direita. No sábado, eles aprovaram a expansão do grupo dos Estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás, o que deve fazer com que o próximo encontro, possivelmente em Foz do Iguaçu (PR) dia 19 de janeiro, o Cosud precise mudar a sigla.

Upiara Boschi

Colunista

Upiara Boschi

Faz a leitura e a análise do contexto do cenário político de Santa Catarina, com informações de bastidores. Explica motivações e consequências das principais decisões tomadas nos poderes do Estado.

siga Upiara Boschi

Upiara Boschi

Colunista

Upiara Boschi

Faz a leitura e a análise do contexto do cenário político de Santa Catarina, com informações de bastidores. Explica motivações e consequências das principais decisões tomadas nos poderes do Estado.

siga Upiara Boschi

Mais colunistas

    Mais colunistas