nsc

publicidade

Governabilidade

Titon diz que MDB apoia Moisés na Alesc porque entendeu "o recado das urnas"

Compartilhe

Upiara
Por Upiara Boschi
03/11/2019 - 17h44 - Atualizada em: 03/11/2019 - 18h25
Moisés discursa em Joaçaba "escoltado" pelos emedebistas Valdir Cobalchini, Romildo Titon e Moacir Sopelsa, sob olhar do senador Jorginho Mello (PL) e o deputado estadual Altair Silva (PP). Foto: Ricardo Wolffenbüttel, Secom/Divulgação
Moisés discursa em Joaçaba "escoltado" pelos emedebistas Valdir Cobalchini, Romildo Titon e Moacir Sopelsa, sob olhar do senador Jorginho Mello (PL) e o deputado estadual Altair Silva (PP). Foto: Ricardo Wolffenbüttel, Secom/Divulgação

Para onde vai o MDB catarinense? A dúvida sempre pertinente desde que as eleições do ano passado determinaram o fim do ciclo de 16 anos do partido como governador ou vice-governador mantém o suspense entre a construção de um caminho próprio e o alinhamento com a gestão de Carlos Moisés da Silva (PSL).

Na sexta-feira, dois deputados estaduais do MDB cobriram o pesselista de elogios e garantiram o apoio da bancada à governabilidade - em um momento em que o governador sofre dissidências em seu próprio partido. Os emedebistas Romildo Titon e Moacir Solpelsa estavam presentes na visita de Moisés a Joaçaba, Ouro e Luzerna, no Meio Oeste, quando foram anunciados R$ 65 milhões em repasses para melhorias em aeroportos, rodovias, prevenção de desastres e segurança pública. Veio de Titon a fala mais contundente em favor do governo Moisés.

- Todos que estão aqui pensam como eu, e pensam como outros deputados que estão na Assembleia Legislativa. Nós, políticos que estávamos em outros mandatos, eu, principalmente, entendi o recado das urnas, e passamos a apoiar o governador. Não fazer parte do governo, mas dar governabilidade para o que é importante para Santa Catarina, porque o momento exige que todos estejam abraçados e unidos em uma causa só: o bem dos catarinenses. Acredito no senhor, na sua capacidade administrativa e na forma como tem tratado a coisa pública - disse Titon.

No início de outubro, o diretório estadual - sob comando do deputado federal Celso Maldaner - emitiu nota oficial em que ressaltava a “postura de independência em relação ao governo Moisés da Silva”, como resposta, à época, às movimentações da bancada estadual da sigla em alinhamento ao governo pesselista. Nesta segunda-feira, a executiva estadual se reúne para avaliar os resultados das convenções municipais. Maldaner defende a reoxigenação da sigla e a construção de uma candidatura ao governo em 2022 a partir dos resultados das eleições municipais do que ano que vem.

Um dos pontos que devem entrar na discussão é a indefinição sobre o comando do MDB em Florianópolis - onde as duas chapas inscritas para a convenção não tiveram o registro aprovado. A executiva precisa nomear uma comissão provisória com a missão de realizar a convenção em até 90 dias.

Deixe seu comentário:

Upiara Boschi

Colunista

Upiara Boschi

Faz a leitura e a análise do contexto do cenário político de Santa Catarina, com informações de bastidores. Explica motivações e consequências das principais decisões tomadas nos poderes do Estado.

siga Upiara Boschi

Upiara Boschi

Colunista

Upiara Boschi

Faz a leitura e a análise do contexto do cenário político de Santa Catarina, com informações de bastidores. Explica motivações e consequências das principais decisões tomadas nos poderes do Estado.

siga Upiara Boschi

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade