nsc
santa

Eleições 2020

10 curiosidades sobre a história das eleições para prefeito em Blumenau

O candidato com menos votos da história, o partido que mais concorreu, as histórias bizarras: confira fatos algumas curiosidades

15/11/2020 - 07h33

Compartilhe

Augusto
Por Augusto Ittner
Victor Sasse (E), o vice que assumiu na década de 1990; Napoleão Bernardes (C), o azarão de 2012 reeleito em 2016; Décio Lima (D), o homem da virada em 1996.
Victor Sasse (E), o vice que assumiu na década de 1990; Napoleão Bernardes (C), o azarão de 2012 reeleito em 2016; Décio Lima (D), o homem da virada em 1996.
(Foto: )

Você sabe qual foi o candidato com menos votos na história da eleição para prefeito de Blumenau? Qual o nome que mais vezes tentou se tornar chefe do Executivo da cidade? Que partido mais vezes concorreu no pleito blumenauense desde 1982, depois do fim do bipartidarismo? Com base em um levantamento histórico de todos os pleitos desde a década de 1980, o Santa traz para você, leitor, 10 curiosidades a respeito da história das eleições blumenauenses. Lembra de alguma? Confira:

> Receba notícias de Blumenau e do Vale do Itajaí por WhatsApp. Clique aqui e entre no grupo do Santa

– A eleição de 1982 era, até este ano, a que mais teve candidatos em Blumenau. No primeiro pleito depois do fim do bipartidarismo, oito nomes concorreram à prefeitura, com Dalto dos Reis (PMDB), eleito. Em 2020, porém, são 12 aspirantes à cadeira mais importante da política blumenauense.

– O PT é o único partido que participou de todas as eleições em Blumenau desde 1982. O partido esteve em um pleito pela primeira vez com João Luiz Bernardes, que conquistou 355 votos há 38 anos. Décio Lima, duas vezes (1996 e 2000) foi o único candidato petista eleito na cidade.

– Ivan Naatz, hoje no PL, é o candidato que mais vezes tentou se tornar prefeito de Blumenau: somada a eleição de 2020, o advogado terá participado de quatro pleitos, em 2004, 2008 e 2016. A maior votação obtida pelo atual deputado estadual foi há quatro anos, 16.652.

– Blumenau teve segundo turno em dois anos, 2012 e 2016. Em ambos os casos a disputa foi entre Napoleão Bernardes (PSDB) e Jean Kuhlmann (PSD). O peessedebista venceu os dois pleitos. Em 2008, primeiro ano em que a cidade pôde ter segundo turno, João Paulo Kleinübing (DEM) venceu com folga.

> Tragédia do Garcia: enxurrada que deixou 21 mortos em Blumenau completa 30 anos

– Nove candidatos a prefeito de Blumenau tiveram menos do que 1 mil votos. Antonio Carlos Nascimento (PCB), foi o com a menor votação, em 1988, com a confiança de apenas 166 eleitores. Os casos mais recentes são de José Ouriques, o Latinha (PTC), com 509 votos em 2008, e de Dari Diehl (PSTU), em 2004, com 299.

– Desde 1982, Blumenau já teve 46 candidaturas à prefeitura. Oito nomes participaram por duas ou mais vezes. No total, 36 pessoas pleitearam a cadeira de prefeito, sendo apenas uma mulher: Ana Paula Lima (PT), em 2012. Neste ano, há outras duas candidatas: Geórgia Faust (PSOL) e Débora Arenhart (Cidadania).

– Até este ano, nove partidos haviam participado apenas de uma eleição em Blumenau: PTC, PSTU, PST, PRN, PPB, PCB, PL, DEM e PCdoB. Os três últimos voltam ao pleito em 2020 com Ivan Naatz, Kleinübing e Mário Kato.

> 10 lugares para conhecer em Santa Catarina, depois da pandemia, claro

– Na histórica eleição de 1996, os dois candidatos favoritos perderam para o então outsider Décio Lima (PT). Wilson Wan-Dall (PPB) e Dalírio Beber (PSDB) lideravam as pesquisas até as vésperas da votação, quando trocas de farpas entre ambos alavancaram o petista. Especialistas tratam a eleição de 24 anos atrás como “sangrenta”.

– Na eleição de 2016 em Blumenau, foi a primeira vez que um partido de esquerda ficou à frente do PT na votação, e também a primeira vez em que um partido de esquerda que não fosse o PT conquistou mais de 10 mil votos. Na época, Arnaldo Zimmermann (então no PCdoB) teve a confiança de 10.855 eleitores.

– Em 1990, o então prefeito Vilson Kleinübing se licenciou para concorrer pela segunda vez ao governo do Estado e acabou vencendo a eleição. O vice, Victor Sasse, assumiu a prefeitura de 1990 a 1992. Algo semelhante ocorreu em 2018, com a diferença de que Napoleão Bernardes renunciou para se dedicar à campanha — ao lado de Mauro Mariani —, porém acabou derrotado. À época, assumiu o vice Mário Hildebrandt.

Leia também

Quatro histórias que marcaram as eleições do Vale do Itajaí nos últimos 30 anos

Colunistas