nsc
an

SETEMBRO AMARELO 

10 de setembro: dia para falar sobre a prevenção do suicídio

Campanha "Setembro Amarelo" tem o objetivo de prevenir, conscientizar e valorizar a vida

10/09/2019 - 13h45 - Atualizada em: 10/09/2019 - 13h57

Compartilhe

Luan
Por Luan Martendal
Campanha "Setembro Amarelo" tem o objetivo de prevenir, conscientizar e valorizar a vida
(Foto: )
Estamos em pleno Setembro Amarelo, em campanha para dizer não ao suicídio. Escolha a vida e nunca a morte

As palavras são de Dom Francisco Carlos Bach, bispo diocesano de Joinville e independentemente de religião, crença, credo ou filosofia de vida, elas expressam a valorização da vida como um dom precioso e nos convida a refletir neste 10 de setembro, o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, o quanto cada pessoa é importante e como cada um de nós pode ajudar ao próximo.

Os transtornos de humor, que incluem depressão ou bipolaridade, o abuso de álcool e drogas, e quadros de esquizofrenia requerem atenção especial, porque são considerados os maiores desencadeadores de tentativas e suicídios - são mais de 800 mil casos por ano no mundo. Por isso, olhar para o próximo e perceber nele características que, em conjunto, podem dar sinais de que esta pessoa precisa de ajuda pode ser o primeiro passo para um suporte a quem necessita. Estar aberto a dialogar e a oferecer apoio também faz toda a diferença.

Sem distinção de origem, classe social, idade, orientação sexual e outros fatores, o Ministério da Saúde estima que 32 pessoas tiram a própria vida por dia no Brasil. Em contrapartida, a Organização Mundial da Saúde aponta que nove em cada dez mortes por suicídio poderiam ser evitadas. Para Akadenilques de Oliveira Martins de Souza Kudla, gerente de Serviços Especiais de Joinville, é extremamente possível reintegrar à sociedade as pessoas que passam por um momento de dificuldade emocional, por meio de um esforço coletivo que envolve a família, os serviços de saúde e o próprio paciente.

Em Joinville isso acontece com a formação de uma rede de apoio que vai da atenção primária, nos postos de saúde, até o atendimento especializado com psiquiatras e psicólogos. Atualmente, existe uma média mensal de atendimento inicial de 140 novos pacientes em cada uma das unidades do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) instalados no município, de todas as idades e com diferentes demandas. Uma equipe multidisciplinar formada por terapeutas ocupacionais, psicólogos, assistentes sociais e enfermeiros estão aptos a avaliar e dar o suporte tanto para os usuários do sistema quanto para os familiares, em busca de reabilitação e reinclusão social desses indivíduos.

Onde encontrar ajuda para a saúde mental em Joinville

— A gente sabe que os problemas em saúde mental estão aumentando cada vez mais, a sociedade está mais exigente, então isso gera estresse, depressões, ansiedades, e todos esses distúrbios contribuem para que esse paciente fique desestabilizado. Em Joinville temos uma rede de atenção psicossocial fortalecida, então a partir do momento que ele inicia o atendimento, seja individual ou em grupo, ele vai se estabilizando, e quando estável está pronto novamente para ser inserido na sociedade — explica Akadenilques.

Ainda segundo ela, mesmo após reabilitação no CAPs, o paciente permanece assistido pela atenção primária do município e o número de pessoas que conquistam alta é significativo. como retorno há o agradecimento, em diversas formas.

— Temos pacientes reincidentes no CAPs, por exemplo, que antes apresentavam fragilidade em reinserção na sociedade, e hoje já demonstram tranquilidade e motivação. Alguns cantam, dançam, abraçam e dizem que gostam de estar ali. Outros se expressam e levam bolos para confraternizar, fazem bilhetes para agradecer. Tanto eles quanto os familiares entendem que, quando existe adesão nos serviços, a reabilitação é possível. E isso é valioso para quem ajuda e é fundamental para quem depende de apoio — conclui a gerente de Serviços Especiais de Joinville.

FIQUE DE OLHO NOS SINAIS

Como identificar sintomas que, combinados, podem ser indícios de depressão e de comportamentos suicidas

CRIANÇAS

. Choro fácil

. Pensamento negativo preponderante

. Lapsos de memória

. Pensamentos catastróficos

. Baixa autoestima

. Disfunção alimentar

. Desregulação do sono

. Dificuldades de interação

ADOLESCENTES

. Mentiras e infrações compensatórias

. Ausência nas aulas

. Provocação aos professores e outras figuras de autoridades

. Baixo limiar a frustração

. Dificuldades para ouvir não

. Automutilação

. Colocar-se em situações de risco constantemente

. Isolamento

. Mudança abrupta de comportamento

ADULTOS

. Sentir-se triste, durante a maior parte do dia, quase todos os dias

. Perder o prazer ou o interesse em atividades rotineiras

. Irritabilidade

. Desesperança

. Queda da libido

. Disfunção alimentar e do sono (perda ou aumento de peso)

. Sensação de cansaço e fraqueza o tempo todo

. Baixa autoestima

. Ansiedade excessiva

. Dificuldade de concentração, de tomar decisões e de memória

. Pensamentos frequentes de morte e suicídio

FATORES DE RISCO

. Transtornos de humor (depressão; bipolaridade)

. Abuso de álcool e drogas

. Esquizofrenia

. Traumas emocionais

ATITUDES PROTETORAS

. Limitar o uso da tecnologia

. Praticar atividade física

. Promover adequação de rotinas

. Estimular a interação social

SAIBA O QUE FAZER PARA AJUDAR

. Ouça o pedido de ajuda com atenção e respeito

. Tenha empatia em entender os sentimentos da pessoa

. Demonstre preocupação e dê suporte emocional

. Evite perguntas indiscretas

. Converse com familiares e amigos

. Dê abertura para que a pessoa se sinta confortável em desabafar

. Ajude a pessoa a procurar atendimento especializado

FONTES: Manual para Profissionais da Saúde em Atenção Primária, da Organização Mundial de Saúde (OMS); secretarias da Saúde de Joinville e de Jaraguá do Sul; Hospital Infantil de Joinville; Ministério da Saúde.

Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC

Deixe seu comentário:

Últimas notícias

Loading interface... Todas de Saúde

Colunistas