nsc
nsc

Confraria Itapema

A cozinha com propósito de Fafá Flores na quarta noite da Confraria Itapema

Criador do projeto Flor&Sal preparou receitas com ingredientes locais para o evento do dia 10 de dezembro, com início às 20h30

03/12/2020 - 08h46 - Atualizada em: 03/12/2020 - 12h11

Compartilhe

Estúdio
Por Estúdio NSC
Confraria Itapema
(Foto: )

Como ondas do mar de Floripa, a descrição do modo de preparo do arroz cremoso de sálvia e limão siciliano é capaz de ditar o ritmo de quem deseja revolver as energias antes de um esperançoso 2021.

"Meça o creme de leite e reserve; raspe o limão e separe; retire o sumo do fruto e reserve, pique o ceboulette e deixe as amêndoas em mãos...".

Quem assina a receita leve, serena e tranquila que acompanha as duas opções de pratos especiais da quarta noite da Confraria Itapema é o cozinheiro e pesquisador de sabores Fafá Flores, do projeto Flor&Sal, Cozinha Criativa.

Preocupado com cada detalhe de seus pratos, e com a qualidade e origem dos ingredientes, Fabrício Flores Nunes - o Fafá - vai dividir criações exclusivas e histórias em um bate-papo interativo no dia 10 de dezembro com a mediação de Pedro Leite.

— Foi uma grata surpresa ter sido convidado em um ano desafiador como esse. Espero entregar o máximo de mim para quem participar dessa noite de celebração — comentou.

Referenciado pela criatividade na cozinha, com pratos que combinam Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCs) e produtos nativos de Santa Catarina, Flores também atua na qualificação de restaurantes e iniciativas que fortalecem cadeias produtivas sustentáveis.

Sal da família

Hoje requisitado para aconselhar donos de restaurantes de diferentes especialidades, Fafá deu seus primeiros pitacos na cozinha quando nem conseguia enxergar as chamas do fogão de tão pequeno.

— Perto da hora de servir o almoço, minha mãe me chamava para provar o sal, ao invés das minhas irmãs, mais velhas que eu — recorda-se.

A destreza em acertar o ponto do tempero garantiu ao filho caçula os livros de receitas da dona Lena, um repositório afetuoso de sabores familiares que ainda estão vivos para ele.

— Na casa da vó paterna, que tinha uma confeitaria, eu ganhava um rocambole de chocolate, um cafuné e um beijo e na outra avó tinha biscoito de polvilho e broa de milho.

Os avós maternos moravam no interior catarinense, em um sítio onde Fabrício costumava passar as férias de fim de ano.

— Minha família voltava pra cidade depois do Natal e eu fazia de tudo para ficar mais um mês com meus avós. Ajudava no que podia e comia no almoço o que era colhido e criado na “chacrinha”.

Confraria Itapema
(Foto: )

Ensinamentos determinantes para a formação do futuro cozinheiro.

Missão

Bacharel em Engenharia de Aquicultura, com mestrado, doutorado e dois pós-doutorados em pesquisas marinhas e contaminantes ambientais, Fabrício fez da cozinha o laboratório ideal para experimentar e dar vazão ao conhecimento, crenças, saberes e vivências de três décadas com mochila nas costas, guiado pelo budismo, curiosidade, paixão pela natureza e interesse pelas pessoas.

— Encontrei na Gastronomia um espaço de expressão, uma forma de compartilhar, trocar experiências, visões de mundo e construir melhorias pro mundo.

Foi o que moveu Flores do hobby à missão de ressignificar o trabalho de mulheres e homens que plantam e pescam entre o mar e a serra. Um senso de responsabilidade que tem favorecido sua criatividade, com a inclusão de camadas de significados nas porções mais simples de seu repertório.

— Quando cozinho, tento transparecer um respeito a todas as conexões anteriores aquele prato. Se alguém dá uma garfada e sorri é como se ela se conectasse com o que me inspirou e movimentou e se identificasse com a rede de cuidados que está por trás de cada insumo utilizado — explica Fafá.

Para o chef, a cozinha é também uma forma de demonstrar compaixão pelas pessoas, sentir-se mais presente e de promover uma relação mais próxima e de menor impacto com o meio ambiente.

— A gente muda o mundo se tiver consciência do que come e de quem compra — sintetiza.

As receitas

Para a Confraria Itapama, o cozinheiro Fafá Flores vai proporcionar duas opções de experiências gastronômicas. A ligação com o mar catarinense inspirou o prato com frutos do mar de Santa Catarina.

— A ideia do prato é tornar fácil a preparação de pescados e mostrar como há produtos de qualidade de produtores locais e que a gente deixa de consumir por não ter coragem pra saltear um camarão fresco, por exemplo.

A segunda opção, especialmente para vegetarianos, é carregada da mesma simplicidade de preparo, zelo pelos ingredientes e carinho por quem o produz. A receita vai ser de Cogumelos portobellos com queijo serrano.

As duas opções são acompanhadas do arroz cremoso de sálvia e limão siciliano descrito no início deste texto. Uma receita com toque mediterrâneo, inspirada nos pratos que o próprio chef provou quando morou em Algarve, Portugal.

A harmonização será feita com uma garrafa de Ophicus Brut Cuvée, da Bodegas Lozano, uma indicação da sommelier Regina Essenburg, da Enoteca Decanter.

A Confraria

Todos os detalhes sobre as duas receitas e as demais atrações culturais estão no site da Confraria Itapema. O kit, a ser entregue nos dias que antecedem o evento, será composto pelos ingredientes para reproduzir a receita em um jantar para duas pessoas. A transmissão online, com participação do comunicador Pedro Leite, é exclusiva para quem adquirir o box - à venda até o dia 4 de dezembro.

BOX: No site oficial, com 10% de desconto no Clube NSC.​

​Acompanhe a programação da Confraria Itapema​​​​

Esse projeto é uma realização da Itapema e conta com o oferecimento dos parceiros Bellacatarina, Grupo Geração, Formacco Cezarium, Unicred, Decanter, Casas da Água e Midea.

Colunistas