nsc

    Saúde

    "A gente quer salvar vidas", diz autora da carta dos 300 médicos que defendem uso de cloroquina

    Ana Paula Gomes Cunha afirma que movimento é apartidário

    08/07/2020 - 11h24 - Atualizada em: 14/07/2020 - 17h54

    Compartilhe

    Jorge
    Por Jorge Jr.
    Uso dos medicamentos está em discussão
    Uso dos medicamentos está em discussão
    (Foto: )

    Líder do movimento com mais de 300 médicos catarinenses que defendem o uso da cloroquina e da ivermectina no combate ao novo coronavírus, a médica endocrinologista Ana Paula Gomes Cunha defende a utilização dos medicamentos na fase precoce da Covid-19 para diminuir o número de casos graves e óbitos por conta da doença.

    > Mapa interativo mostra a evolução do coronavírus em Santa Catarina

    Sobre a carta, que tem a assinatura de 336 médicos, Ana Paula afirma não ter posicionamento político e tem só o intuito de ajudar os pacientes de forma precoce. 

    - A nossa carta é totalmente apartidária, vieram cartas contrárias, partidárias, dizendo que colocamos como uma obrigatoriedade (o uso dos remédios), deturparam o nosso posicionamente, e o nosso único objetivo é dar um apoio médico para os gestores tomarem uma atitude a mais do que já estão tomando. A gente está querendo salvar vidas, esse é o único objetivo dessa carta - conta a endocrinologista.

    > Quais são as 18 cidades de SC sem casos de coronavírus

    O governador Carlos Moisés, o secretário estadual de saúde, André Motta Ribeiro, e prefeitos de algumas cidades já receberam a carta e conversam com os médicos. A Drª Ana Paula, no entanto, reforça que os remédios só devem ser utilizados se for prescrito por um médico que esteja tratando um paciente com coronavírus, nunca tomar por conta própria.

    > Protocolo com cloroquina e ivermectina é "imprudente e irresponsável", dizem pesquisadores da UFSC

    - De forma alguma a gente indica o paciente ir à farmácia comprar o remédio e se automedicar. Esses remédios a gente não quis colocar em um protocolo específico, porque entre nós mesmos a gente acha melhor um protocolo, outro prefere outro protocolo, é pra cada comissão ver qual o melhor kit, melhor tratamento para os casos de covid-19 precocemente, mas nunca a automedicação, de forma alguma. Somente um médico vai saber quem pode tomar cada medicamento - relata.

    A nossa carta visa mostrar o ponto de vista de um grupo de médicos favoráveis a um tratamento precoce da covid-19 pra tentar prevenir e reduzir o número de internações hospitalares
    Drª Ana Paula Gones Cunha
    Drª Ana Paula Gones Cunha
    (Foto: )

    Ouça a entrevista completa

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Saúde

    Colunistas