nsc
santa

Justiça

Acusado de matar mãe e bebê com veneno de rato e enterrar os corpos é condenado em SC

Caso aconteceu em setembro de 2020; corpos foram ocultados em Rio dos Cedros

26/05/2022 - 17h29 - Atualizada em: 26/05/2022 - 18h18

Compartilhe

Bianca
Por Bianca Bertoli
Josi, como era conhecida, e o filho de 3 meses
Josi, como era conhecida, e o filho de 3 meses
(Foto: )

O homem acusado de matar Josieli Lopes, 36 anos, e o filho dela de apenas 1 mês e meio, foi condenado a 53 anos de prisão nesta quinta-feira (26). O crime aconteceu em Itapema, no Litoral Norte, em setembro de 2020. À época, Luiz Souza teria oferecido comida com chumbinho, um veneno para rato, à ex-companheira, que amamentou o bebê logo depois do jantar, o que causou também a morte do pequeno. 

Ele enterrou os corpos em Rio dos Cedros, no Médio Vale.

> Receba notícias do Vale do Itajaí por WhatsApp

Luiz foi preso dias depois dos assassinatos. No júri desta quinta, afirmou ter se arrependido do que fez. Para o Ministério Público, tudo foi premeditado. O homem teria pesquisado sobre envenenamento na internet e enchido o tanque do carro para ir a Rio dos Cedros naquela noite.

A condenação foi por homicídio qualificado por feminicídio, agravado pelo motivo torpe, emprego de veneno, impossibilidade de defesa da vítima e três meses após o parto, no caso de Josieli. Também pelo homicídio do bebê, agravado pelo uso de veneno e sem possibilidade de defesa da vítima, entre outros. 

Além disso, houve condenação pela ocultação dos cadáveres e fraude processual. Ele pode recorrer da decisão, mas deve permanecer detido. 

O crime

Souza teria colocado chumbinho na comida que ofereceu à ex-mulher por não aceitar o fim do relacionamento. À época, de acordo com o delegado Diogo Medeiros, aquele seria o último dia do suspeito na casa, conforme estabelecido pela vítima durante a conversa do término.

> Homem acusado de matar e enterrar esposa e filho em SC vai a júri popular

> Mulher e bebê são achados mortos em SC; marido confessa crimes, diz polícia

A investigação da Polícia Civil mostrou que quando Josieli começou a passar mal, pediu que Luiz a levasse ao médico. Foi quando ele seguiu em direção a Rio dos Cedros, em uma área rural de difícil acesso.

A defesa de Luiz não foi encontrada até o fechamento deste texto. 

Leia também

> Santa Catarina precisa reagir aos vergonhosos casos de trabalho escravo

> Denúncias de trabalho escravo em SC expõem até tráfico de pessoas e números crescem

Colunistas