nsc
dc

Pandemia

Afeganistão e mais 7 países: veja onde brasileiros podem entrar sem restrições

Em alguns países, como nos Estados Unidos, as barreiras para moradores do Brasil ocorrem há pelo menos dez meses e foram renovadas após a nova variante do coronavírus

22/03/2021 - 08h30

Compartilhe

Cláudia
Por Cláudia Morriesen
foto mostra mulher sentada em mala em aeroporto
Levantamento mostra onde estão as restrições em cada país
(Foto: )

Os brasileiros têm restrições leves para entrar em apenas oito países do mundo, diante do avanço do coronavírus no Brasil e da variante amazônica. Quem quer viajar "sem restrições" pode ir para o Afeganistão, a Albânia, a Costa Rica, a Eslováquia, a Macedônia do Norte, Nauru, a República Centro Africana e Tonga. 

> SC passa de 9,5 mil mortes por coronavírus

> Receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

A situação é reportada em março de 2021 a partir de um levantamento do Skyscanner, site especializado na venda de passagens online. Desde maio de 2020, no entanto, os brasileiros encontram restrições em vários países. Entre eles está os Estados Unidos: recentemente, o presidente Joe Biden renovou a barreira para a entrada de brasileiros no país. 

> Acompanhe dados da vacinação em cada município de SC no Monitor da Vacina

Estes oito países com restrições leves para os brasileiros, no momento, não pedem teste de Covid-19 e nem obrigam a fazer quarentena na chegada. Outros 100 países têm restrições moderadas para receber turistas vindos do Brasil e 117 estão com restrições fortes, que incluem, na maioria dos casos, fechamento de fronteiras para todos que não sejam cidadãos ou estrangeiros com residência fixa no país. Os países que permitem entradas de estrangeiros que não vivem no país exigem quarentena obrigatória de 14 dias.

O site Skyscanner disponibiliza um mapa interativo contendo informações sobre as restrições em países de todo mundo.

foto mostra mapa
Mapa mostra os lugares onde há restrições mais severas para brasileiros
(Foto: )

Segundo a Associação Brasileira de Agências de Viagem (ABAV), o turismo internacional correspondia a cerca de 40% da procura antes da pandemia. Em 2020, as vendas aconteceram principalmente nos meses de outubro e novembro. Com a maior parte dos destinos internacionais fechados, as vendas para destinos nacionais chegaram a mais de 70%. Com isso, as agências de viagens filiadas à Abav viram o movimento cair quase 60%: de um faturamento total de R$ 33,9 bilhões em 2019, passou para R$ 14 bilhões em 2020. 

Colunistas