nsc
dc

Conscientização

Agosto Dourado alerta sobre a importância do aleitamento materno 

Neste ano a Semana Mundial do Aleitamento Materno (SMAM) trabalha com o tema “Empoderar mães e pais, favorecer a amamentação. Hoje e para o futuro!” 

01/08/2019 - 05h29 - Atualizada em: 01/08/2019 - 06h45

Compartilhe

Por Camila Levien
(Foto: )

O alimento padrão ouro. É com essa frase que a Organização Mundial da Saúde (OMS) definiu o leite materno e por isso este mês recebe a cor dourada para conscientizar sobre a importância das mães iniciarem a amamentação primeira hora após o parto e seguir alimentando seus filhos exclusivamente dessa forma por seis meses. A recomendação é um desafio em tempos modernos, especialmente quando a chega a hora de conciliar o trabalho com o aleitamento.

É o que conta Maíra Faust Corrêa Hoepers. A mãe de primeira viagem de 31 anos voltou ao trabalho nesta semana após os quatro meses de licença maternidade. O começo do processo foi difícil, seu filho Joaquim tinha língua presa o que o impedia de mamar corretamente, prejudicando o ganho de peso e muitas vezes machucando o seio dela.

— Desde a gestação eu sempre pensei em manter a amamentação e foi um grande desafio. Nos primeiros dias eu cheguei a amamentar chorando. É um ato de se doar, é um investimento de si de tempo e paciência, mas a evolução é muito gratificante, ver que ele está se desenvolvendo...sorrindo...crescendo e tudo graças ao meu leite — diz Maíra

Agora o retorno às atividades profissionais está trazendo outro desafio. Apesar de previsto pela lei que toda a mãe deve ter dois períodos de 30 minutos cada para amamentar o seu bebê até que ele complete seis meses de vida para Marina, que é professora e trabalha em outra cidade essa situação não é possível. Por isso, agora os dois estão se adaptando com o processo de extração do leite e oferta em mamadeira.

A médica pediatra e presidente da Departamento de Aleitamento Materno da Sociedade Catarinense de Pediatria, Maria Beatriz Reinert explica que essa situação é muito comum atualmente e ressalta que se é uma ótima opção para o bebê que não tem perda de qualidade alimentar e absorção de nutrientes com o ato. Porém ressalta alguns cuidados com o procedimento.

— É importante que a mulher ao fazer a coleta do leite use um frasco de vidro com boca tampa plásticas, boca larga e anote na tampa a data a hora da coleta e após congele o frasco armazenado no freezer. O leite dura doze horas na geladeira e quinze dias no congelador. — explica Maria

A médica pontua que até 75% dos nutrientes de cada refeição que o bebê faz são destinados ao desenvolvimento do cérebro. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a amamentação de todos os bebês nos primeiros dois anos pode salvar a vida de mais de 820 mil crianças com menos de cinco anos todos os anos. O órgão também pontua que o ato melhora o QI, o desempenho e a frequência escolar, além de estar associada a rendas mais altas na vida adulta, além de também reduzir o risco de câncer de mama nas mães.

—É importante desmistificar algumas crenças. O leite materno nunca é fraco. Nos primeiros dias a produção de leite pode parecer pouca mas é suficiente para atender as necessidades do recém - nascido, possui alto valor nutritivo e anticorpos que protegem as crianças contra infecções — ressalta a médica

Neste ano a Semana Mundial do Aleitamento Materno (SMAM), vem a encontro disso com o tema “Empoderar mães e pais, favorecer a amamentação. Hoje e para o futuro!”, as atividades começam nesta quinta-feira (01) e vão até quarta-feira (07). No Brasil, o Agosto Dourado foi instituído pelo Congresso Nacional em abril de 2017, com a Lei nº 13.435/2017.

A pediatra ressalta que o tema é fundamental a participação ativa dos pais no processo de amamentação, muitas vezes carregado e angústias e desafios para a mulher.

— Os pais podem ser uma influência positiva ou negativa por isso é fundamental que eles sejam participantes ativos — comenta a médica

Atualmente, apenas 38% dos bebês são alimentados exclusivamente com leite materno até os seis meses na região das Américas e só 32% continuam amamentando até os 24 meses, segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). A meta da OMS é chegar 50% de amamentação exclusiva nos seis primeiros meses de vida até 2025.

Mamaço

Em alusão a data em Florianópolis, um mamaço deve ocorrer neste sábado (03) no Parque de Coqueiros, na Av. Eng. Max de Souza, na região continental de Florianópolis. O Mamaço Floripa 2019 está marcado para às 10h. Já em Joinville o mamaço ocorre nos jardins do Museu de Arte de Joinville, na Rua 15 de Novembro, 1.400, no bairro América, também no sábado, às 9h da manhã (03). Este é 6º Mamaço do município e contará também com oficina de sling, roda de conversa, aula de sling dance e apresentação de teatro.

Colunistas