A Associação dos Municípios do Alto Vale do Itajaí, com o apoio de 33 entidades de classe, fez um apelo ao governo federal. O pedido é pela liberação do FGTS para todos os moradores das 14 cidades castigadas pelas chuvas de outubro e novembro, e não apenas para aquelas onde a água entrou. A solicitação de sustenta no fato de que muitas pessoas ficaram sem trabalhar durante as cheias e outras tantas podem ajudar os parentes caso consigam acessar o dinheiro do fundo.

Continua depois da publicidade

Inscreva-se e receba notícias pelo WhatsApp do Vale do Itajaí

O prefeito de Rio do Sul, maior cidade do Alto Vale e que sofreu com sete enchentes neste ano, diz que a liberação do FGTS para todos os trabalhadores desses municípios é “extremamente necessária”. Na análise de José Thomé, a medida seria fundamental principalmente para movimentar a economia local e, consequentemente, garantir a manutenção dos empregos gerados pelo setor. Ele pede a sensibilidade dos parlamentares em Brasília, bem como da União para autorizar os saques.

A preocupação faz sentido. Segundo Marco Aurélio Vargas das Neves, presidente da Câmara de Dirigentes Lojista (CDL) de Rio do Sul, 80% do comércio da região central da cidade foi afetado às vésperas do Natal, considerado o melhor período para vendas. Ele afirma que apenas metade desses voltaram ao pleno funcionamento passados 15 dias da segunda maior enchente da história do município, que tirou 22 mil pessoas das casas.

O drama da moradora que viu a própria casa ser arrastada na enchente em Rio do Sul

Continua depois da publicidade

Neves cita, inclusive, que na maior cheia em volume de água de Rio do Sul, em 1983, o número de habitantes era de aproximadamente 25 mil. Agora, são cerca de 75 mil. Os números são para dar uma proporção do quão prejudicada a cidade foi em 2023. Ele vai além. Pede das autoridades isenção, prorrogação e parcelamento de impostos, bem como empréstimos e linhas de crédito com condições melhores de pagamento para empresários das cidades em calamidade.

— Sonhos foram levados nessa enchentes. O povo é resiliente, mas está cansado desse descaso — desabafa o presidente da CDL.

A liberação do saque FGTS para todos os moradores é uma decisão do Ministério do Desenvolvimento Regional. Quando há a autorização, a Caixa Econômica Federal faz os pagamentos. A pasta não se manifestou até a publicação desse texto sobre a possibilidade de atender ao pedido das entidades do Alto Vale.

Veja as cidades em situação de calamidade que pedem liberação do FGTS para todos os moradores

Continua depois da publicidade

Dados da Caixa Econômica Federal apontam que sete dos 14 municípios do Alto Vale castigados pelas cheias dos últimos meses estão com processo aberto para os moradores pedirem o saque do FGTS. Entretanto, é exclusivo para quem reside nos endereços informados pelas prefeituras como atingidos pelas inundações. O valor é limitado a até R$ 6.220, a depender do saldo da pessoa, e o trabalhador não pode ter feito saque por calamidade nos últimos 12 meses.

A Caixa informou que nem todos 14 os municípios estão com o saque FGTS liberado para os atingidos porque dependem ainda da homologação do decreto de calamidade, o que é feito pelos governos do Estado e federal. Confira abaixo a lista dos municípios com saque autorizado do fundo para quem foi diretamente afetado pelas chuvas:

  • Agronômica
  • Laurentino
  • Lontras
  • Pouso Redondo
  • Rio do Oeste
  • Rio do Sul
  • Taió

Colaborou Ana Cristina Machado, NSC TV

Leia mais

SC anuncia nova prorrogação do ICMS para o Simples Nacional nos municípios em calamidade

Sob pressão por obras contra enchentes, SC define prazos para minibarragens e dragagem

Destaques do NSC Total