nsc
dc

Vacinação

Anvisa libera importação ilimitada de doses da vacina de Oxford contra a Covid-19

Autorização vale para os imunizantes contra o coronavírus produzidos no Serum Institute, da Índia

13/02/2021 - 09h49

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Vacina de Oxford produzida em conjunto com o laboratório Astrazeneca.
Vacina de Oxford produzida em conjunto com o laboratório Astrazeneca.
(Foto: )

A Anvisa deu aval nesta sexta-feira (12) para que a Fiocruz possa importar mais doses da vacina da Universidade de Oxford fabricadas pelo Serum Institute, que fica na Índia. O laboratório é um dos centros de produção vinculados à AstraZeneca, que desenvolveu o imunizante e tem uma parceria com a fundação.

Segundo a Anvisa, o pedido foi feito na quarta-feira (10), e vale para novas doses que vierem a ser adquiridas pela instituição -não houve delimitação da quantidade.

> Receba notícias de SC por WhatsApp. Clique aqui e saiba como entrar no grupo dos jornais do NSC Total

Em nota, a agência diz que a aprovação visa "a manutenção do fornecimento de vacinas ao Programa Nacional de Imunizações e a continuidade da vacinação dos grupos prioritários em todo o país".

"Esta aprovação se deu nas mesmas condições já aprovadas por esta Anvisa, em 17 de janeiro de 2021, para autorização temporária de uso emergencial, já que se trata da mesma vacina produzida, fabricada sob as mesmas condições já avaliadas naquela oportunidade", completa.

> Como está a vacinação contra a Covid-19 em SC e no Brasil? Clique aqui e acesse o Monitor da NSC

Com o aval desta sexta, as novas doses que forem importadas também já podem ser aplicadas quando chegarem ao país e forem liberadas após inspeções.

Em janeiro, a agência deu autorização para 2 milhões de doses que também tinham sido importadas do Serum Institute.

Segundo o Ministério da Saúde, o novo montante tem sido negociado devido ao atraso para liberação de insumos que devem ser usados para fabricação da vacina no Brasil.

Recentemente, a Fiocruz entrou com pedido de registro na Anvisa para as doses que devem ser fabricadas pela instituição.

Colunistas