nsc

Trânsito

Apesar de filas e espera em semáforos de Florianópolis, prefeitura garante que equipamentos estão sincronizados

Segundo a Diope, casos isolados podem ter tempo de sincronia recalculado

12/01/2021 - 13h08 - Atualizada em: 12/01/2021 - 14h32

Compartilhe

Juliana
Por Juliana Gomes
Avenida Beira-mar Norte em Florianópolis teve aumento no trânsito nesta temporada
Avenida Beira-mar Norte em Florianópolis teve aumento no trânsito nesta temporada
(Foto: )

O aumento do número de veículos em Florianópolis nesta temporada tem causado filas no trânsito e feito o motorista esperar além do habitual pela abertura dos semáforos. Ouvintes da CBN Diário apontaram falta de sincronia entre as sinaleiras no último sábado (12) na Avenida Beira-mar Norte.

A Diretoria de Operações de Trânsito (Diope) afirma que não há problema de sincronização, mas incremento no fluxo e que casos isolados são avaliados constantemente para reprogramação dos equipamentos.

- Hoje, todos os semáforos estão totalmente sincronizados e a gente faz uma sicronização três vezes por semana, com um aparelinho que vai em cada controlador de semáforo, chamado GPE, pra ver se eles estão funcionando em perfeito horário um com o outro - explicou o chefe da Diope Fabrício Justino.

Só na Beira-mar, são oito cruzamentos, em pouco mais de 3km de avenida, desde a Rua Arno Hoeschel até o Koxixos. 

Segundo a Diope, ao todo, na capital, são 131, mas apenas alguns cruzamenos, na região Central e no Continente, exigem sincronia. 

Avenida Beira-mar Norte tem oito cruzamentos em 3km de extensão
Avenida Beira-mar Norte tem oito cruzamentos em 3km de extensão
(Foto: )

 No Centro, eles estão nas avenidas, além da Beira Mar Norte, Mauro Ramos e Paulo Fontes, bem como nas Ruas Frei Caneca e Padre Roma.

No Estreito, os cruzamentos das Avenidas Max Schramm, Liberato Bittencourt e Fúlvio Aducci também têm sistema de sincronia.

- A gente calcula o tempo de acordo com o tráfego da rua, para que um possa abrir depois do outro em sincronia. Cada controlador semafórico tem em media nove tempos diferentes durante o dia, conforme os horários de pico - explicou o chefe da Diope.

Leia também:

> Saúde de Florianópolis faz visita técnica para verificar ultrafreezers da UFSC

> Piso tátil dificulta acesso de cegos na Avenida Madre Benvenuta

Colunistas