Desde criança, o mundo nerd sempre fez parte da vida de Alice Grosseman Mattosinho, mais conhecida como Alice Monstrinho. Ela tem 33 anos e transformou as paixões ligadas a desenhos, animes e videogames em profissão.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Para o Dia do Orgulho Nerd, celebrado neste sábado (25), o g1 entrevistou a artista de Florianópolis, que fala sobre os trabalhos que faz, a predominância masculina nesse mercado e como ela foi parar no game The Last of Us Part II.

Antes de tudo, ela conta por que o apelido “monstrinho”.

— Quando eu comecei a namorar com o meu marido, há 18 anos, eu, como uma grande pessoa de 1,60 m e ele, com 1,90 m, começamos a sair. Quando a gente ia comer, acontecia de, às vezes, eu comer a mesma quantidade que ele. E aí começou o ‘vou levar o monstrinho para comer’. Eu tenho uns hábitos meio brutos, eu sou meio desbocada, gosto de fazer boxe, de jogo de luta, e aí pegou muito rápido —relata.

Continua depois da publicidade

— Como o meu sobrenome mesmo é Grosseman Mattosinho, acabou que foi uma substituição interessante como nome artístico — resume.

A paixão pelo universo fantástico vem de muito cedo.

— Desde criança, eu sempre gostei de desenhar. Foi um dos vários casos que você está com o lápis na mão antes de saber falar direito. Eu gostava muito de animais. Começava a assistir já, desde bem criança, a desenhos, animes, videogames. Acho que eles começaram a me fascinar bastante por ser uma coisa que você tem uma possibilidade de criação. Quando é fantasia, você pode criar o que quiser — conta.

Esse fascínio moldou a vida profissional de Alice, inclusive nos estudos. Quando chegou a hora de entrar para o ensino superior, ela sabia que queria trabalhar com quadrinhos. Mas estava na dúvida de qual graduação escolher.

— Eu vi que em seguida tinha aberto um curso de design de jogos, um bacharelado, pela Univali [Universidade do Vale do Itajaí], e fui da primeira turma — declara.

Continua depois da publicidade

E não largou mais esse universo. Atualmente, ela trabalha com videogames, quadrinhos, dublagem e locução, graças aos 10 anos de teatro que fez na infância e adolescência.

Leia mais no g1.

Leia também

Festival culinário traz pratos autorais com preços especiais para cidades catarinenses; veja onde

Destaques do NSC Total