nsc
    dc

    AULA MAGNA 

    Bolsonaro defende excludente de ilicitude e evita tema crise no PSL em evento em Florianópolis

    Presidente veio à cidade para aula com 1.160 alunos do curso de formação da PRF e falou sobre "minoria incansável" que, segundo ele, não deixa o governo em paz

    17/10/2019 - 14h20 - Atualizada em: 17/10/2019 - 20h49

    Compartilhe

    Jean
    Por Jean Laurindo
    Jair Bolsonaro
    Bolsonaro discursou na sede da PRF em Florianópolis
    (Foto: )

    A segurança pública e a defesa da atividade dos policiais deram o tom do discurso do presidente Jair Bolsonaro na Academia Nacional da Polícia Rodoviária Federal (ANPRF), no bairro Vargem Pequena, em Florianópolis, nesta quinta-feira (17).

    Sem tocar no assunto crise no PSL e a articulação para trocar a liderança do partido na Câmara dos Deputados, Bolsonaro valorizou a proposta de excludente de ilicitude, que é defendida pelo governo como forma de dar mais garantias aos agentes em caso de confronto no exercício da profissão.

    — Lutamos para conseguir um excludente de ilicitude. Não é carta branca para matar, é carta branca para não morrer. O policial, ao enfrentar alguém armado, após o embate, o policial tem que ir para casa na certeza de que será condecorado e não processado — afirmou.

    Essa foi a primeira visita de Bolsonaro à Capital catarinense como presidente da República. O governador Carlos Moisés da Silva o acompanhou.

    Bolsonaro deixou o local sem dar entrevista coletiva e faria a live semanal nas redes sociais ainda na Academia da PRF.

    Em discurso no palco do evento, o presidente não mencionou a crise interna que vive o PSL, partido pelo qual foi eleito para a Presidência. A crise foi acentuada nesta quinta com a divulgação de áudio em que o deputado Delegado Waldir (GO), líder do partido na Câmara, foi gravado dizendo que vai implodir o governo de Bolsonaro.

    Na hora dos cumprimentos, Bolsonaro citou apenas a deputada Caroline de Toni e o deputado Coronel Armando entre os parlamentares do PSL, chamando-os de "leais". O presidente fez somente uma rápida menção ao que chamou de "minoria incansável" que aponta críticas ao governo.

    — Não nos deixam em paz. Alguns de forma mesquinha buscam atingir o governo. Mas a grande parte quer o bem. Só que essa minoria é incansável. Isso é lamentável — afirmou.

    O presidente fez flexões simultaneamente com os alunos da PRF de cima do palco e, ao final do discurso, desceu para cumprimentar alguns policiais.

    Bolsonaro desembarcou no aeroporto da Capital às 15h12min e chegou na ANPRF por volta das 16h08min desta quinta, escoltado por um grande comboio da PRF, Polícia Militar, com outras viaturas, vans, veículos oficiais e ambulância do Samu. Foi direto para o estande de tiro, onde praticou disparos junto com o ministro Sergio Moro.

    A imprensa não teve acesso a essa parte da visita. Mas nas redes sociais o presidente divulgou imagens da chegada, em que cumprimentou eleitores, e da prática de tiro.

    Pressão para convocação de mais aprovados

    Alguns convidados exibiam bandeiras do Brasil e camisetas de apoio ao presidente e registravam tudo em fotos e vídeos para as redes sociais. Mas a maior parte dos presentes pertencia a corporações como PM e PRF.

    Um grupo de cerca de 30 pessoas de diversos Estados compareceu para pressionar o governo pela nomeação de mais 600 candidatos que foram aprovados no último concurso da PRF, realizado em fevereiro, mas que ainda não foram convocados. Eles vestiam camisetas amarelas.

    — Existe um déficit alto (de agentes na PRF), que tende a crescer, e a convocação desse efetivo a mais ajudaria muito a fiscalização e a segurança — defendeu a candidata gaúcha Rafaela Cruz.

    Na chegada, o presidente acenou para algumas pessoas que estavam na frente da Academia da PRF para manifestar apoio. É o caso da empresária Solange Barros Machado, de São José, que foi até o Norte da Ilha para ver de perto Bolsonaro.

    Para ela, a postura do presidente desde a eleição é o que mais a faz apoiar o governo, mesmo em um momento de turbulência do presidente com o PSL.

    — A mim, isso (crise entre o presidente e o partido) não contamina. Para quem Bolsonaro é raiz, essas polêmicas não contaminam — apontou.

    Carlos Moisés e presidente Bolsonaro
    No palanque, governador de SC Carlos Moisés conversou com o presidente Bolsonaro
    (Foto: )

    Moro destaca redução da criminalidade

    Antes do presidente, o ministro da Justiça e Cidadania, Sérgio Moro, também falou à turma de alunos da PRF. Citou números que apontam para a diminuição da criminalidade neste primeiro ano de governo, como uma redução de 20% em assassinatos, e defendeu o papel da PRF no combate ao crime.

    — Hoje a PRF é muito mais que apenas a polícia encarregada de cuidar das rodovias. Ela tem papel importante já que as rodovias são muitas vezes usadas de forma indevida como artérias para o tráfico de drogas e armas. E a PRF vem fazendo um excelente trabalho na apreensão dessas drogas e armas — afirmou o ministro.

    Bolsonaro assina medida provisória que acelera venda de bens obtidos com lucro de crimes
    Bolsonaro assina medida provisória que acelera venda de bens obtidos com lucro de crimes
    (Foto: )

    Moro e Bolsonaro também assinaram uma Medida Provisória que acelera a venda de bens obtidos por meio do tráfico de drogas e armas apreendidos pela polícia, e que permite a destinação desses recursos a campanhas educativas e ao tratamento de dependentes químicos.

    Forte esquema de segurança

    Bolsonaro chegou à Academia Nacional da Polícia Rodoviária Federal (PRF) sob uma chuva que persistiu até o presidente subir no palco. A primeira parada foi no novo estande de tiro da academia, onde efetuou disparos com armas da corporação.

    Na academia, agentes da PRF, convidados e alunos aprovados no concurso da corporação aguardavam em fila o credenciamento para acessar o local do evento. Um forte esquema de segurança com viaturas da PRF e da PM cercou a área a ser visitada pelo presidente.

    Veículos da PM também garantiram a segurança ao longo da SC-401, por onde passou o comboio com Bolsonaro. Dentro da Academia, estavam membros da PRF e da banda da PM.

    Alguns poucos vestiam camisas com o nome do presidente da República.

    Alunos em posição, enquanto aguardam chegada de Bolsonaro
    Alunos em posição, enquanto aguardam chegada de Bolsonaro
    (Foto: )

    Leia também

    Líder do PSL na Câmara diz que vai implodir Bolsonaro, mostra áudio do deputado

    Joice Hasselmann é destituída da liderança do governo no Congresso

    Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Política

    Colunistas