O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) é alvo de uma operação da Polícia Federal (PF) deflagrada na manhã desta quinta-feira (8). Além de Bolsonaro, ex-ministros e ex-assessores dele estão sendo investigados por tentar dar um golpe de Estado no país e invalidar as eleições de 2022, vencidas por Luiz Inácio Lula da Silva (PT). As informações são do g1.

Continua depois da publicidade

Siga as notícias do NSC Total pelo Google Notícias

No total, a PF cumpre 33 mandados de busca e apreensão e quatro mandados de prisão preventiva. Há ainda medidas cautelares, como proibição de contatos entre os investigados, retenção de passaportes e destituição de cargos públicos.

Jair Bolsonaro é alvo de medidas restritivas e deve entregar o passaporte às autoridades em até 24 horas.

Segundo a PF, há mandados sendo cumpridos em Amazonas, Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Ceará, Espírito Santo, Paraná, Goiás e Distrito Federal.

Continua depois da publicidade

Os mandados foram autorizados por Alexandre de Moraes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF). Os nomes dos alvos não foram divulgados.

A operação foi chamada pela Polícia Federal de “Tempus Veritatis” – “hora da verdade”, em latim.

Mandados de prisão preventiva 

Segundo a PF, há mandados de prisão preventivas contra: 

  • Filipe Martins, ex-assessor especial de Bolsonaro;
  • Marcelo Câmara, coronel do Exército citado em investigações como a dos presentes oficiais vendidos pela gestão Bolsonaro e a das supostas fraudes nos cartões de vacina da família Bolsonaro;
  • Rafael Martins, major das Forças Especiais do Exército;
  • Bernardo Romão Corrêa Netto, coronel do Exército.

Núcleos de atuação dos atos golpistas

Segundo informações divulgadas pela PF, o grupo investigado “se dividiu em núcleos de atuação para disseminar a ocorrência de fraude nas Eleições Presidenciais de 2022, antes mesmo da realização do pleito, de modo a viabilizar e legitimar uma intervenção militar, em dinâmica de milícia digital”. Conforme a PF, o grupo investigado se dividiu em dois núcleos de atuação.

Continua depois da publicidade

O primeiro era voltado a construir e propagar informações falsas sobre uma suposta fraude nas urnas, apontando “falaciosa vulnerabilidade do sistema eletrônico de votação”.

Já o segundo núcleo, praticava atos para subsidiar a abolição do Estado Democrático de Direito – ou seja, para concretizar o golpe.

De acordo com as investigações, se as condutas do grupo forem confirmadas, elas poderão ser enquadradas em crimes como organização criminosa, abolição violenta do Estado Democrático de Direito e golpe de Estado.

*Matéria em atualização.

Leia mais

Ex-governador Moisés vira cervejeiro e assina rótulo com marca famosa

Prefeitura terá que exonerar metade dos servidores em SC

Destaques do NSC Total