O Brasil tinha cerca de 3,3 mil espécies de animais e plantas ameaçadas de extinção na fauna e flora de seus biomas em 2014, segundo um estudo publicado pelo IBGE. O trabalho “Contas de Ecossistemas: Espécies ameaçadas de extinção” analisou 16.645 espécies entre animais e plantas, e concluiu que 3.299 estavam ameaçadas.

Continua depois da publicidade

Atualmente, são reconhecidas 49.168 espécies de plantas e 117.096 animais no Brasil. As análises foram feitas em cima de estudos existentes com informações sobre os estados de conservação. A pesquisa é feita de cinco em cinco anos e é publicada em forma de portaria ministerial. Como a lista referente a 2019 ainda não ficou pronta, esses são os dados oficiais mais recentes que existem no país.

No universo de espécies analisadas, 0,06% são consideradas totalmente extintas, 0,01% está em extinção na natureza, 4,73% estão criticamente em perigo, 9,35% estão em perigo, 5,74% são vulneráveis, 3,98% estão quase ameaçadas de extinção, 62,82% são menos preocupantes e 13,33% possuem dados insuficientes. O estudo considerou ameaçadas as espécies vulneráveis, em perigo e criticamente em perigo.

> Número de animais silvestres apreendidos em 2020 já ultrapassa total de 2019 em Joinville

> Operação aplica mais de R$ 500 mil em multas por desmatamento no Meio-Oeste de SC

Continua depois da publicidade

Entre todos os biomas, Pantanal e Amazônia apresentavam as maiores proporções de espécies na categoria menos preocupante, com 88,7% e 84,8%, respectivamente, e também os menores percentuais de espécies ameaçadas, 3,8% e 4,68%. De acordo com o estudo, em números absolutos, são 54 espécies ameaçadas no Pantanal e 278 na Amazônia.

A mata atlântica se destaca pelo maior número total de espécies ameaçadas, considerando fauna e flora, totalizando 1.989. Proporcionalmente, também teve a maior quantidade de espécies avaliadas, sendo que 25% do bioma estavam em categorias ameaçadas. Outros 12% de espécies da mata atlântica estão em uma categoria que apresenta dados insuficientes.

> “É possível harmonizar agricultura e meio ambiente”, diz representante da SOS Mata Atlântica

A publicação aponta ainda que pelo menos 10 espécies estão extintas, como as aves maçarico-esquimó, gritador-do-nordeste, limpa-folha-do-nordeste, peito-vermelho-grande, arara-azul-pequena e caburé-de-pernambuco. Também estão classificadas em extinção o anfíbio perereca-verde-de-fímbria, o mamífero rato-de-Noronha e o peixe marinho tubarão-dente-de-agulha.

Continua depois da publicidade

*Por Diego Garcia

Leia também:

> Dia da Mata Atlântica: desmatamento cresce 52% em Santa Catarina entre 2017 e 2018

> Pelo menos 22% da área do Pantanal queimou desde janeiro deste ano

> Tecnologia de DNA ajuda a provar que espécie não estava extinta

Destaques do NSC Total