nsc
dc

Coronavírus

Butantan para produção da vacina Coronavac por falta de matéria-prima

A entrega do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), que vem da China, era esperada para esta semana, mas houve um atraso

08/04/2021 - 07h24 - Atualizada em: 08/04/2021 - 07h26

Compartilhe

Redação
Por Redação DC
São aguardados 6 mil litros de IFA que darão origem a 10 milhões de vacinas
São aguardados 6 mil litros de IFA que darão origem a 10 milhões de vacinas
(Foto: )

O Instituto Butantan paralisou a produção a produção da Coronavac por falta do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA), a matéria-prima da vacina contra a Covid-19. O tema foi citado por Dimas Covas, presidente do Butantan, e por João Doria (PSDB), governador de São Paulo, na quarta-feira (7), em coletiva de imprensa. 

> Clique aqui e receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

> Vacinação da Covid em SC: locais, fases de aplicação, idades e tudo sobre

A entrega da matéria-prima era esperada para esta semana, mas houve um atraso e o Butantan conta com a chegada para a próxima semana. A produção já havia sido paralisado em outros momentos à espera do IFA. 

São aguardados 6 mil litros de IFA que darão origem a 10 milhões de vacinas. Apesar do adiamento no recebimento da matéria-prima, o instituto afirma que o cronograma de entrega de doses não será afetado. 

Em nota, o Butantan afirma que todas as doses de vacina feitas com o IFA recebido já foram envasados e que 2,5 milhões de vacinas ainda estão "em processo de inspeção de controle de qualidade — parte integrante do processo produtivo — para serem entregues na semana que vem ao Programa Nacional de Imunizações". 

Levando isso em conta, o instituto afirma que "não interrompeu a produção da vacina contra o novo coronavírus". 

Com a nova remessa de IFA, o Butantan afirma que concluirá a entrega, até 30 de abril, das 46 milhões de doses contempladas pelo primeiro contrato assinado com o Ministério da Saúde. 

> Multas em Lages já passam de R$ 700 mil pelo descumprimento de regras sanitárias

Covas, em coletiva de imprensa, afirmou que o instituto tem intenção de adiantar o cronograma de entregas e para isso conta com remessas maiores de IFA vindas da China. 

"E aí, quem sabe, adiantar a entrega dos 100 milhões [de vacinas], que estava previsto para setembro, adiantamos para agosto e, se ocorrer a chegada de maior volume de matéria-prima, adiantar para o final de julho", disse. "Esperamos que isso possa acontecer".

*Com informações de Folhapress

Colunistas