nsc
dc

Estudo

Cannabis será testada em médicos e enfermeiros que atuam no combate ao coronavírus

Pesquisa vai analisar impacto do uso da substância na saúde mental de profissionais que estão na linha de frente da pandemia

08/07/2020 - 11h08

Compartilhe

Lariane
Por Lariane Cagnini
cannabis
A Abrace participa e conduz pesquisas sobre o uso medicinal da cannabis
(Foto: )

Profissionais de saúde que atuam na linha de frente no combate ao coronavírus irão participar de uma pesquisa inédita sobre o uso do óleo de cannabis. O objetivo é analisar como a substância auxilia na saúde mental de médicos e enfermeiros, que têm apresentado quadros de estresse, depressão e ansiedade durante a pandemia.

A pesquisa será realizada pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em parceria com a Associação Brasileira de Apoio à Cannabis Esperança (Abrace). Serão 300 profissionais voluntários, sendo que metade irá utilizar o óleo integral de cannabis e a outra metade um placebo, sem a presença da substância.

O pesquisador da UFSC Erik Amazonas explica que os participantes vão preencher a escala brasileira de stress, validada pela Sociedade Brasileira de Psicologia, antes do início do estudo. Depois, pelos proximos seis meses, vão fazer a reavaliação de como estão se sentindo, também com consultas por telemedicina em função do coronavírus.

> Ex-secretário Douglas Borba e advogado Leandro Barros deixam prisão após habeas corpus

- A pesquisa envolve médicos, psicólogos, todos conhecedores da medicina canabidióide. Optamos por esse óleo com extrato de uma planta com alta concentração de CBD, que é o canabidiol mais famoso no uso medicinal. São estudos comprovados, não se têm mais dúvidas científicas quanto ao seu poder ansiolítico - explica Amazonas.

A pesquisa "Impacto do óleo integral de ​Cannabis na saúde mental de profissionais da linha de frente no combate a COVID-19" recebe inscrições de interessados em participar até o final de julho, pelo site da Abrace

Nos dois primeiros dias, 120 profissionais já tinham se inscrito. Porém, quanto maior a diversidade de participantes, de locais e com históricos diferentes, melhor para o estudo, defende o pesquisador da UFSC. 

> Ciclone afasta-se de Santa Catarina e provoca ventos em parte do Estado

O diretor da Abrace, Cassiano Teixeira, reforça que a cannabis medicinal será estudada como forma de aliviar sintomas de sobrecarga psicológica em médicos e enfermeiros.

- Neste momento de pandemia, estes profissionais estão expostos a uma alta carga de estresse que acaba refletindo fisicamente e mentalmente. No estudo, iremos avaliar como a cannabis atua no controle da ansiedade, depressão e estresse destes profissionais - explica.

O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos (CEPSH) da UFSC.

Colunistas