A Polícia Civil fez uma recapitulação do dia em que Luna foi morta em Timbó. De acordo com o delegado André Beckman, a polícia entende que as agressões foram cometidas pelo padrasto, que tinha histórico de violência, e a mãe foi omissa ao não denunciar a situação às autoridades. As informações são da NSC TV.

Continua depois da publicidade

A mãe e padrasto da menina foram indiciados por estupro, tortura e feminicídio.

> Clique aqui e receba notícias do Vale do Itajaí por WhatsApp

De acordo com a polícia, o padrasto foi o único homem que teve contato com a criança no mês de abril. A menina estava com machucados na região íntima, segundo a perícia. As autoridades ainda aguardam um laudo do material biológico colhido na menina e no homem, que deve comprovar se o padrasto foi o autor do estupro.

Inicialmente, a mãe afirmou à polícia que matou a filha durante um “ataque de raiva”. A hipótese foi descartada pelo delegado, que afirma que a mulher não teria condições físicas de causar tantos machucados na menina. O entendimento da polícia agora é que a mulher foi omissa, já que tinha total condição de fazer uma denúncia e não o fez. Por isso, ela foi indiciada pelos mesmos crimes que o companheiro.

Continua depois da publicidade

Na casa ainda moravam um bebê de nove meses e uma criança de seis anos, que tinha as mesmas marcas que Luna. A menina andava coberta, com roupas compridas, para esconder as agressões.

O dia do crime

A polícia concluiu que o padrasto foi até a escola da menina por volta das 15h30min do dia 13 de abril, para tentar transferi-la e não conseguiu. Ele voltou para casa frustrado e começou a agredir a menina com socos, chutes, cotoveladas e um objeto para domar cavalo, que deixou marcas no corpo.

As agressões aconteceram até ela ficar desacordada. Professor de artes marciais, ele saiu para dar aula e quando voltou continuou as agressões, que resultaram na morte da criança.

Por volta da meia-noite o casal levou a menina ao hospital afirmando que ela havia caído de uma escada, mas Luna já estava sem vida.

Continua depois da publicidade

O casal havia afirmado no início que a menina teria um namorado na escola, por isso eles queriam tirá-la de lá. De acordo com a investigação policial, os professores começaram a desconfiar da situação de violência que ela sofria em casa, o que motivou o pedido de transferência. Ela ficou todo o mês de abril sem ir à instituição de ensino.

Depoimentos

A polícia conversou com mulheres que já se relacionaram com o homem no passado, e todas relataram que ele cometia agressões desde o início do relacionamento. Como ele estava com a mãe da menina há cerca de um ano, acreditam que tenha sido esse o tempo que começou as agressões.

De acordo com o delegado, é possível concluir que a menina sofreu muito durante esse período, tanto física quando psicologicamente.

A mãe e padrasto da criança estão em prisão preventiva, que não tem prazo para terminar. Com o inquérito concluído, o Ministério Público deve denunciar o caso à Justiça.

Continua depois da publicidade

* Colaborou Ana Cristina Machado, da NSC TV

Leia também

Vizinhos relatam sensação de cativeiro em casa onde Luna foi achada morta em Timbó

Objeto para domar cavalo pode ter sido usado para agredir menina Luna, diz polícia

Segundo a polícia, irmã de menina assassinada em Timbó também era agredida

Destaques do NSC Total