nsc
santa

Médio Vale

Caso Luna: objeto para domar cavalo pode ter sido usado para agredir menina, diz polícia

Polícia apreendeu na última quinta-feira um "relho" na casa em que a pequena morava com a mãe, padrasto e irmãos

10/05/2022 - 10h36

Compartilhe

Bianca
Por Bianca Bertoli
Objeto improvisado com galhos pode ter sido usado para agredir a pequena de 11 anos.
Objeto improvisado com galhos pode ter sido usado para agredir a pequena de 11 anos.
(Foto: )

Um objeto semelhante ao usado para domar cavalos pode ter sido utilizado para agredir a menina Luna Gonçalves, assassinada no último mês de abril em Timbó. 

O relho improvisado com galhos de árvore foi apreendido na última semana durante o cumprimento de mandados na casa onde a pequena de 11 anos morava com a mãe, o padrasto e as irmãs.

> Receba notícias de Blumenau e do Vale por WhatsApp. Clique aqui e entre no grupo do Santa

A informação foi dada pelo delegado André Beckman, responsável pelo caso, durante uma coletiva na manhã desta terça-feira (10). 

Além do relho, os agentes ainda buscaram por documentos e outros objetos que possam indicar histórico de agressões contra Luna — como cartas ou bilhetes escritos pela menina.

— [Buscamos por] instrumentos do crime, anotações, documentos que ajudem a entender o contexto da situação que ocorria na casa. Por exemplo, se era um cárcere privado, como alguns relatam, e até se eventualmente a criança possa ter escrito alguma coisa após violências sofridas — afirma o investigador.

O inquérito que apura o assassinato ocorrido no dia 14 de abril ainda está aberto. O prazo para conclusão é no fim desta semana, porém a polícia não descarta pedir mais 30 dias para finalizá-lo.

Questionado pelo Santa sobre o laudo que possa confirmar violência sexual contra Luna, o delegado André Beckman confirmou que recebeu o documento, porém "pediu complementações" antes finalizar a investigação.

> Leia também: Laudo revela brutalidade com que menina de 11 anos foi assassinada em Timbó

> E mais: Vizinhos relatam sensação de cativeiro em casa onde Luna foi achada morta em Timbó

Relembre o caso

Luna foi encontrada morta em Timbó na madrugada de quinta-feira (14/4). Ela vivia com a mãe, o padrasto, a irmã de seis anos e o irmão de nove meses, segundo apurou a Polícia Civil. O casal estava se relacionando há cerca de um ano, ainda conforme informações do delegado.

O atestado de óbito de Luna Nathielli Bonett Gonçalves, 11 anos, mostra a brutalidade com que a adolescente foi assassinada. Conforme o laudo, a garota sofreu politraumatismo. Ela tinha lesões internas no crânio, baço, pulmão, intestino, uma laceração na vagina e também estava com o rosto machucado.​

De acordo com a Polícia Civil, a mãe confessou ter matado a própria filha com socos e chutes como forma de represália, já que não aceitava que a filha havia se tornado "sexualmente ativa". A mulher e o padrasto foram presos dois dias após a morte da menina.

Inicialmente, o casal disse que a menina havia caído de uma escada ao tentar pegar um gato e que seguiu realizando as atividades normalmente após o acidente, até a hora de dormir. Mais tarde, teria passado mal e chamaram os bombeiros.

A perícia feita na casa onde o crime ocorreu encontrou marcas de sangue nas proximidades do quarto da criança, no sofá, em uma toalha, fronha e em uma calça masculina.

Colunistas