Foi marcada a data do tribunal de júri da mãe e do padrasto de Luna Gonçalves, a menina de 11 anos que foi morta dentro da própria casa no ano passado, em Timbó. O casal, que está preso, vai ao banco de réus em novembro.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Blumenau e região por WhatsApp

O caso bárbaro chocou a região em abril de 2022. Luna foi encontrada sem vida na madrugada do dia 14 depois de ser espancada várias vezes e sofrer violência sexual com o uso de um objeto, apontou a perícia. A mãe dela chegou a assumir a autoria do homicídio sozinha, o que foi desmentido pela investigação.

O processo segue em segredo de justiça, mas o Ministério Público confirmou a data do júri: 16 de novembro, na Câmara de Vereadores por conta da obra do novo Fórum do município. Se o espaço ficar pronto antes disso, o julgamento será no imóvel, no dia 17, uma sexta-feira.

Os dois foram acusados pelos crimes de homicídio qualificado por ter sido praticado por motivo fútil e torpe; com meio cruel; sem possibilidade de defesa; e por se tratar de feminicídio, estupro de vulnerável, tortura, cárcere privado e fraude processual. A mãe ainda responde por autoacusação falsa.

Continua depois da publicidade

Relembre o crime

A polícia concluiu que o padrasto foi até a escola da menina por volta das 15h30min do dia 13 de abril, para tentar transferi-la e não conseguiu. Ele voltou para casa frustrado e começou a agredir a menina com socos, chutes, cotoveladas e um objeto para domar cavalo, que deixou marcas no corpo. As agressões aconteceram até ela ficar desacordada. Professor de artes marciais, ele saiu para dar aula e quando voltou continuou as agressões, que resultaram na morte da criança.

Por volta da meia-noite, o casal chamou o socorro afirmando que ela havia caído de uma escada, mas Luna já estava sem vida. Segundo os promotores de Justiça, após a morte da menina, a mãe e o padrasto apagaram a memória dos celulares e iniciaram a limpeza e reorganização da cena do crime.

De acordo com a investigação policial, os professores começaram a desconfiar da situação de violência que ela sofria em casa, o que motivou o pedido de transferência. Ela ficou todo o mês de abril fora do colégio. De acordo com a polícia, o padrasto foi o único homem que teve contato com a criança naquele mês.

Leia também

Caso Luna: laudo cadavérico da menina é “estarrecedor”, diz promotor

Destaques do NSC Total