nsc

    Mundo da bola

    Catarinense enfrenta barreiras e busca sonho de jogar futebol feminino nos Estados Unidos

    Joane Ribeiro relata dificuldades da modalidade no Brasil e pede ajuda para atuar fora do país

    10/09/2020 - 16h38 - Atualizada em: 10/09/2020 - 16h48

    Compartilhe

    Kadu
    Por Kadu Reis
    Joane Ribeiro, 23 anos, busca sonho do futebol feminino
    Joane Ribeiro, 23 anos, busca sonho do futebol feminino
    (Foto: )

    O futebol dos milhões de dólares e euros é o mesmo esporte onde jogadoras e jogadores enfrentam as mais diversas dificuldades em busca dos seus sonhos. Se há obstáculos para os homens, o caminho é ainda mais tortuoso para as mulheres, devido ao menor incentivo à modalidade feminina. A catarinense Joane Ribeiro, 23 anos, tem a história de vida entrelaçada ao sonho de jogar profissionalmente.

     Comecei com sete anos jogando no colégio, a única menina entre os meninos. Me destacava entre eles, mas também sempre sofri bullying

    Ouça na reportagem:

    > Amigos lamentam morte do triatleta Felipe Manente: "Amava o esporte"

    Aos 23 anos, a catarinense de Jaraguá do Sul, moradora de Florianópolis, acumula experiências desagradáveis na caminhada em busca do sonho. Na adolescência, a perda de uma bolsa de estudos pelo fato de ser homossexual. Nos alojamentos, estrutura inadequada, sem apoio médico ou alimentação digna. A meta de jogar profissionalmente, ainda assim, segue viva - e cada vez mais próxima.

    — Conheci minha primeira namorada e eles cortaram a minha bolsa de estudos, não aceitavam um relacionamento homoafetivo no colégio. Quando comecei a treinar futebol de campo passei a viver a realidade dos alojamentos e como isso funciona. Morávamos em dez meninas com um banheiro na casa, sem acompanhamento nutricional ou médico. Uma vez por mês o técnico fazia compras: miojo, steak e pão — lembra a jogadora.

    Joane e a bola de futebol, uma relação duradoura
    Joane e a bola de futebol, uma relação duradoura
    (Foto: )

    > Chapecoense faz 2 a 0 no Brusque e abre vantagem na final do Catarinense

    A primeira chance para Joane Ribeiro jogar no exterior não se concretizou. Aos 15 anos veio a oportunidade de atuar nos Estados Unidos, mas a falta de recursos financeiros não permitiu. Agora, aos 23, há uma nova oportunidade, e a expectativa de embarcar no mês de outubro. Com uma bolsa parcial de estudos para a Universidade Westcliff, na Califórnia, ela busca ajuda através de uma vaquinha na internet.

    Recebi esta proposta de ir para a Califórnia estudar e jogar pela Universidade. Vou dar um jeito de conseguir ir. Não posso deixar essa oportunidade passar de novo

    Quem quiser contribuir financeiramente para a realização do sonho de Joane Ribeiro pode acessar este link. Também é possível acompanhar os passos da jogadora em seu perfil no Instagram. Ela precisa reunir R$ 60 mil para viabilizar a ida aos Estados Unidos. Até a publicação desta matéria, R$ 18,4 mil foram arrecadados na campanha on-line.

    Ouça a entrevista completa:

    > Rômulo sofre lesão muscular e desfalca o Avaí na sequência da Série B

    > Elano confirma a chegada de mais reforços no Figueirense para a Série B

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Esportes

    Colunistas