nsc
santa

Litoral

Cerveja barata virava rótulo caro em esquema de adulteração de bebidas em SC

Três homens foram presos em Navegantes por envolvimento neste esquema

10/06/2021 - 13h31 - Atualizada em: 11/06/2021 - 09h26

Compartilhe

Por Giulia Machado
Foram encontradas cerca de oito mil garrafas de cerveja adulteradas
Foram encontradas cerca de oito mil garrafas de cerveja adulteradas
(Foto: )

Um esquema de adulteração de bebidas em Navegantes, no Litoral Norte, foi descoberto pela polícia no início desta semana. Os criminosos compravam marcas de cerveja baratas, e trocavam por rótulos mais caros em um depósito às margens da BR-470.

> Acesse para receber as notícias do Santa por WhatsApp

No galpão foram encontradas cerca de oito mil garrafas de cerveja já adulteradas, mais de R$ 7 mil em dinheiro, um cheque de R$ 14 mil e vários comprovantes de depósito que totalizam R$ 30 mil, além de 23 mil garrafas vazias, caixas com tampas e rótulos, ferramentas e três celulares.

A polícia foi até lá após receber informações de que uma carga roubada estaria sendo armazenada no local. Quando chegaram, um homem se apresentou afirmando ser o gerente do que seria um depósito de bebidas, mas não conseguiu justificar a procedência das cervejas e acabou confessando o esquema.

Ele explicou que as falsificações vinham acontecendo há cerca de três meses, e que em torno de 42 mil garrafas eram adulteradas por semana. O homem se apresentou com um nome falso, e mais tarde descobriu-se que tinha um mandado de prisão em aberto por homicídio no estado do Pará.

De acordo com a polícia, não se sabe para quais locais as bebidas já haviam sido distribuídas, mas pelos materiais apreendidos é certo que muitos lugares receberam as cervejas falsas.

Os três homens foram conduzidos à delegacia por organização criminosa e adulteração de substâncias alimentícias, e o falso gerente deve cumprir o mandado de prisão por homicídio e falsa identidade.

A Polícia Civil deve investigar o caso.

Haviam caixas cheias de tampas e rótulos no galpão
Haviam caixas cheias de tampas e rótulos no galpão
(Foto: )

Colunistas