nsc
dc

Preocupação

Chapecó é a cidade com maior número de mortes por dengue em SC

Número pode chegar a quatro se a causa de duas novas mortes notificados pela prefeitura for confirmada pelo Estado

12/04/2022 - 14h00 - Atualizada em: 12/04/2022 - 14h50

Compartilhe

Diane
Por Diane Bikel
Prefeitura está multando pessoas que não tomarem medidas necessárias após primeira notificação
Prefeitura está multando pessoas que não tomarem medidas necessárias após primeira notificação
(Foto: )

Chapecó, no Oeste de Santa Catarina, é a cidade com o maior número de mortes por dengue no Estado. Até esta terça-feira (12), quatro óbitos decorrentes da doença foram registrados no município, segundo a prefeitura - dado que indica o maior número de mortes pelo vírus na cidade há mais de cinco anos.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Os números divulgados pelo Estado, no entanto, afirmam que dois, dos quatro óbitos, ainda seguem em investigação. Apesar disso, a diferença não tira o município do topo entre as cidades catarinenses com maior número de mortes e moradores infectados. 

Segundo o superintendente da Diretoria de Vigilância Sanitária (Dive-SC), Eduardo Macário, a situação ocorre por conta de um atraso na digitalização dos dados, por parte do município, no sistema utilizado pelo governo de SC. 

O município, que está em situação de epidemia, contabilizou, até o momento, 2.092 casos confirmados de dengue. O alto número não coloca Chapecó como a cidade catarinense com maior número de casos por conta da falha de sistema, que deixou de registrar parte das notificações. 

De acordo com a Dive, a cidade com mais pessoas infectadas é Maravilha, que registrou 1.304 confirmações. Segundo o órgão, em Chapecó há 117 casos confirmados - número 17 vezes menor do que o registrado pela prefeitura.

O município afirmou que faz mutirões com voluntários universitários e agentes da saúde para controlar os focos do mosquito. Além disso, a Vigilância Sanitária está multando as pessoas notificadas que não tomaram as medidas necessárias a partir da primeira visita. O bairro Efapi é o local mais afetado, atrás de Eldorado, São Cristovão e Bela Vista.

Segundo a prefeitura, o problema é considerado crônico pelo município e a situação se repete anualmente. O virologista Daniel Mansur explica que combater o vírus não é algo fácil, até por não haver uma vacina. 

> Alta na dengue em SC é explicada por invernos menos rigorosos e hábitos da população

Por esse motivo, técnicas tradicionais não são suficientes para o combate, já que o tipo de urbanização que existe em Santa Catarina torna a situação mais difícil de ser resolvida.

— Impedir o avanço da dengue sem vacina efetiva é muito complicado. Por enquanto tem que ser com controle do vetor, mas isso exige muita disciplina. Penso que o governo deva incentivar uma boa educação por parte dos catarinenses — afirmou o especialista. 

Casos em SC

De acordo com dados divulgados pela Dive, 100 municípios catarinenses já registraram pelo menos um caso de dengue, desde o início do ano, e 210 apresentaram focos do mosquito. São 9.422 pessoas infectadas e cadastradas pelo Governo do Estado. 

Do total, casos confirmados, 7.515 são autóctones, 71 importados, 111 indeterminados e 1.725 em investigação. A situação de epidemia se estende a 21 municípios.

Leia também

Com mais de 23 mil focos, entenda por que SC tem dificuldade para superar a dengue

SC mais do que dobra número de cidades com alto risco para dengue em um ano

Dengue: conheça os sintomas da doença perigosa

Colunistas