nsc
dc

ENDIVIDADO

Chapecoense tem pedido de recuperação judicial aceito para quitar dívida de R$ 100 milhões

Conforme o clube, a situação era considerada caótica e gravíssima em 2021, mas ficou ainda pior nesta temporada

04/02/2022 - 15h06

Compartilhe

Por Daniela Walzburiech
A notícia foi dada na manhã desta sexta-feira (4), durante entrevista coletiva
A notícia foi dada na manhã desta sexta-feira (4), durante entrevista coletiva
(Foto: )

A Chapecoense teve o pedido de recuperação judicial aceito pelo juiz Ederson Tortelli, da 1ª Vara Cível da Comarca de Chapecó. A solicitação foi uma medida para o clube se recuperar da dívida que já ultrapassa R$ 100 milhões. A notícia foi dada na manhã desta sexta-feira (4), durante entrevista coletiva com a presença da diretoria e advogados que estão no processo. As informações são do GE SC.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

De acordo com o vice-presidente administrativo e financeiro do Verdão do Oeste, Luiz Peruzzolo, a situação era considerada caótica e gravíssima em 2021, mas ficou ainda pior nesta temporada.

— A Chapecoense padece de uma grave doença, temos uma doença muito grave, estamos vegetando. Infelizmente, para toda doença grave, o remédio é amargo. E, muitas vezes, precisamos ousar com tratamentos especiais — falou Peruzzolo. 

O vice-presidente de marketing, Alex Passos, ressaltou que a medida é diferente daquela adotada pelo Figueirense, de recuperação extrajudical, e que o objetivo é resolver o problema financeiro do clube. Segundo ele, o Conselho Deliberativo deu total apoio, e é apenas o primeiro passo para a Chapecoense se recuperar. 

— É um longo caminho, começou agora, mas tem toda uma estruturação e planejamento — disse Passos. 

Conforme a decisão do juiz Ederson Tortelli, da 1ª Vara Cível, publicada no dia 3 de fevereiro, esses medidas valerão pelo prazo de 180 dias:

  • suspensão do curso da prescrição das obrigações do devedor sujeitas ao regime da Lei n. 11.101/2005.
  • suspensão das execuções ajuizadas contra o devedor, inclusive daquelas dos credores particulares do sócio solidário, relativas a créditos ou obrigações sujeitos à recuperação judicial.
  • proibição de qualquer forma de retenção, arresto, penhora, sequestro, busca e apreensão e constrição judicial ou extrajudicial sobre os bens do devedor, oriunda de demandas judiciais ou extrajudiciais cujos créditos ou obrigações sujeitem-se à recuperação judicial ou à falência.

Leia também

Vacinômetro de SC têm 90 cidades sem registros da imunização de crianças contra Covid

Encontrado corpo de filho de vereador desaparecido após naufrágio em Laguna

NSC é a única de SC entre as empresas de comunicação mais premiadas do ano

Colunistas