Florianópolis está em entre as cidades brasileiras que devem “entrar em ebulição” em 2050 — quase literalmente. Um estudo feito no mundo inteiro mostra que a capital catarinense deve ter dias de calor extremo em 2050.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

A projeção foi feita pelo CarbonPlan, uma organização que faz estudos abertos sobre o clima, em parceria com o The Washington Post. Ele leva em consideração uma temperatura de 32 °C como “régua” para o calor extremo; a temperatura, umidade, vento e a luz solar também pesam.

Conforme o estudo, Florianópolis deve ter, em 2050, sete dias de calor extremo — acima de 32 °C no sol — , que pode ser perigoso para a saúde. Nessa temperatura, por exemplo, mesmo adultos saudáveis podem sofrer estresse térmico.

No mundo, a cidade em destaque é Pekanbaru, na Indonésia: a projeção é que sejam 344 dias de temperaturas acima dos 32 °C. No Brasil, é Belém, no Pará, que ainda deve ter o aumento mais rápido, conforme o estudo. Dubai, nos Emirados Árabes, Kolkata, na Índia, e Nimule, no Sudão do Sul, também aparecem em destaque.

Continua depois da publicidade

Calorão em SC

Na última semana de inverno, os catarinenses sentiram uma onda de calor atípica, com termômetros chegando a marcar 40 °C. Nos próximos dias, o calorão ainda vai estar presente, o que motivou alerta da Defesa Civil.

A partir da quinta-feira (21), as máximas ficam entre 32 °C e 35 °C na maior parte do Estado, podendo se aproximar dos 38 °C no Extremo Oeste. Mas, segundo a Defesa Civil estadual, o pico do calor deve ocorrer nas tardes de sábado e domingo (23 e 24), quando as temperaturas ultrapassam os 35 °C em praticamente todas as regiões, podendo se aproximar dos 40 °C no Oeste, Norte e pontos do litoral.

Por isso, a Defesa Civil alerta para ocorrências associadas ao calor intenso, como desidratação e agravamento de doenças cardiorrespiratórias, além do aumento do risco de queimadas. É recomendável tomar muita água, não deixar animais e crianças sozinhos em veículos, não usar roupas escuras e não comer alimentos pesados, de difícil digestão.

Continua depois da publicidade

Leia também

Rajadas de vento, granizo e calor intenso: o que esperar da última semana de inverno em SC

Destaques do NSC Total