nsc
santa

ELAS ESTÃO SOLTAS

Cobra mais venenosa do Brasil foi capturada quatro vezes em 12 dias no Vale do Itajaí

Corais-verdadeiras têm assustado moradores da região

03/11/2021 - 16h50 - Atualizada em: 05/11/2021 - 09h10

Compartilhe

Redação
Por Redação Santa
Algumas das serpentes capturadas tinham cerca de um metro de comprimento
Algumas das serpentes capturadas tinham cerca de um metro de comprimento
(Foto: )

Os moradores do Vale do Itajaí têm levado alguns sustos com o aparecimento de cobras nos últimos dias. Apenas entre 21 de outubro e 1º de novembro, os bombeiros de três cidades da região capturaram quatro corais-verdadeiras, as Micrurus corallinus. Segundo os biólogos, trata-se da espécie mais venenosa no Brasil.

> Receba notícias do Vale do Itajaí pelo WhatsApp

Uma dessas serpentes apareceu no quintal de uma casa em Ibirama. Foi a gatinha de estimação da família que alertou para a presença do animal. De acordo com os socorristas, a cobra media quase um metro de comprimento.

Na semana passada outra coral verdadeira surgiu na garagem de um imóvel na cidade de Vitor Meireles. A serpente tinha cerca de 45 centímetros e assustou os moradores, que chamaram os bombeiros para fazer a captura e levar o animal ao local adequado.

No começo deste mês, outra cobra-coral estava na calçada de uma casa no Centro de Ibirama. A foto mostra o tamanho do bichinho. Em Timbó, no bairro Estados, nova ocorrência do gênero. Em nenhum dos casos houve feridos. 

Apesar de ser peçonhenta, menos de 1% dos acidentes domésticos acontecem com cobras dessa espécie. O motivo é que elas não dão o bote.

— Os acidentes geralmente ocorrem quando as pessoas tentam manusear ou pegam/pisam nesse animal sem ver — explica o biólogo Christian Raboch, especialista em serpentes.

Mas por que tantas?

De acordo com Raboch, em entrevista ao AN, as cobras são répteis que têm sangue frio. E a temperatura do corpo do animal pode variar conforme o clima. No inverno, elas ficam entocadas esperando o tempo esquentar, mas agora o cenário é outro.

- A temperatura está mais quente e, consequentemente, esquenta o metabolismo dos animais. Aí elas começam a sair para procurar parceiros e se reproduzir e animais para comer. Por isso, aparecem na casa das pessoas – diz.

O que fazer em caso de picada?

  • Caso seja picado por uma cobra, não se deve amarrar o local. Segundo o biólogo Christian Lempek, o torniquete pode aumentar o risco de necrosar o local e resultar até em amputação;
  • Não se deve cortar o local, fazer perfurações ou sucção;
  • O local da picada deve ser lavado com água e sabão;
  • A vítima deve ser levada o mais rápido possível ao hospital;
  • É importante tentar identificar a serpente (pode ser por foto, se possível), pois isso facilitará para escolha do soro antiofídico a ser aplicado.

Onde ligar

Entre em contato com os Bombeiros (193) ou com a Polícia Ambiental da sua cidade (190). Em caso de acidente com serpente, entre em contato com o Samu (192), os Bombeiros (193) ou se dirija ao hospital público mais próximo.

Em caso de dúvidas ou orientações sobre procedimentos de primeiros socorros, ligue para o Centro de Informação e Assistência Toxicológica de Santa Catarina (CIATox/SC), pelo telefone: 0800 643 5252.

Leia também

> Biólogo é picado por escorpião e vai parar no hospital no Alto Vale do Itajaí

> Quais os 7 animais peçonhentos que mais assustam moradores de Blumenau

> Cobra levada a hospital ajuda a salvar criança em Blumenau e serve de alerta

Colunistas