O Dia Mundial das Abelhas é celebrado nesta segunda-feira (20). A data foi instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU) para destacar a importância da polinização para o desenvolvimento sustentável e produção de alimentos. De acordo com a Epagri, em Santa Catarina é possível encontrar 27 espécies nativas do grupo meliponíneos, chamadas popularmente como abelhas sem ferrão. O Estado também é o sétimo do Brasil que mais produz mel. 

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

— Nós sempre destacamos a abelha sem ferrão porque são bastante conhecidas. Elas são utilizadas também na criação e na produção. No Brasil existem cerca de 400 espécies de abelhas sem ferrão — diz Rodrigo Durieux da Cunha, chefe da divisão de estudos apícolas da Epagri.

O nome de “abelha sem ferrão” surgiu devido os animais terem atrofiado seus ferrões durante seu processo evolutivo. Em Santa Catarina as mais conhecidas são a jataí, mandaçaia, canudo, guaraipo, manduri, bugia e as mirins. Elas podem ser encontradas em praticamente todas as regiões do Estado.

As vinte e sete abelhas sem ferrão de Santa Catarina

Continua depois da publicidade

De acordo com a Epagri, Santa Catarina é o sétimo estado do Brasil que mais produz mel. Por ano, são feitos 68 quilos por quilômetro quadrado, número muito superior ao da média nacional, que é de 5 quilos por quilômetro quadrado. O Estado também é o dono do título de “melhor mel do mundo”, conquistado pela empresa Prodapys, de Araranguá, no Sul catarinense, em 2022. 

O estado catarinense também se destaca pela quantidade de colmeias. De acordo com o Atlas da Apicultura no Brasil, produzido pela Associação Brasileira de Estudo das Abelhas (A.B.E.L.H.A.), Santa Catarina tem 296.514 colmeias, sendo o segundo com o maior número. O primeiro lugar fica com o Rio Grande do Sul, com 486.067.

Veja o infográfico sobre as abelhas de SC

Abelhas para e a economia de SC 

A criação de abelhas em Santa Catarina também é uma atividade importante para a economia do Estado. De acordo com a Epagri, o  maior impacto econômico da apicultura catarinense está no ganho de produtividade da maçã, pêra, ameixa e outras culturas pelo trabalho de polinização feito pelas abelhas. 

Continua depois da publicidade

No Estado, são utilizadas entre 40.000 e 60.000 colônias de abelhas para a polinização dos pomares, o que acarreta em geração de renda para apicultores migratórios especializados em polinização de pomares, diz a Epagri. 

Leia mais

Abelhas avaliadas em R$ 5 mil são encontradas pela polícia 5 meses após furto em SC

Cinco lugares para ver o pôr do sol em Florianópolis

Destaques do NSC Total