A preocupação com o meio ambiente tem proporcionado uma série de soluções para tornar a construção de residências o mais sustentável possível. Do uso de lâmpadas mais eficientes até a geração de energia na própria casa, essas alternativas contribuem com o planeta e também com a diminuição de gastos a longo prazo.

Continua depois da publicidade

Na capital catarinense, a Floripa EkoHouse é uma casa praticamente toda sustentável. Além de parede vegetada, a residência conta com sistemas solares térmicos para aquecimento de água servida; coleta e tratamento da água de chuva e residuais; painéis solares fotovoltaicos para a geração de energia elétrica; iluminação e paisagismo eficientes.

sustentabilidade
EkoHouse é a primeira casa certificada Leed Ouro no sul do Brasil. (Foto: EkoHouse)

O arquiteto Fabio Caiaffa foi quem projetou a residência, entregue no começo de 2017. Como a proprietária queria uma casa realmente sustentável, optou pelo maior número de itens relacionados possíveis.

— Tem toda uma questão bioclimática, com uma posição diferente da casa para melhor aproveitamento do sol, dos coletores e a inclinação do telhado na mesma forma. O sistema de isolamento térmico das paredes da casa é mais eficiente do que a parede de alvenaria — explica Caiaffa.

Continua depois da publicidade

Após esse processo, a residência conquistou o certificado Leed Ouro de construção de sustentabilidade. É a primeira casa certificada no sul do Brasil. Ter esse selo é mais trabalhoso, mas as famílias podem incorporar alguma das alternativas para promover a eficiência e desempenho ambiental. Segundo o arquiteto, as famílias têm optado cada vez mais por itens como aquecimento solar de água e aproveitamento de água de chuva, economicamente mais vantajosas.

—Acabamos de entregar uma casa no Campeche, convencional, de alvenaria, mas com energia solar e tratamento de efluentes e aproveitamento da água de chuva — completa o arquiteto.

Mais eficiência, menos gasto

Diminuir o consumo de energia elétrica também é uma forma de contribuir com o meio ambiente e com o bolso. Thiago Jeremias, gerente da Divisão de Eficiência Energética e Pesquisa e Desenvolvimento da Celesc, destaca que uma opção para diminuir o gasto com energia elétrica na residência é a geração própria por módulos fotovoltaicos. Por exemplo, 10 placas conseguem gerar entre 250 e 350kWh/mês. Se a família possui uma conta de luz mensal em torno de 150 reais, pode zerar esse valor, dependendo do equipamento. Como o valor para a instalação é superior a 15 mil reais, o prazo para o retorno do investimento do sistema fotovoltaico fica em torno de 10 anos, mas depende de cada família.

— Se gerar mais energia que consome, essa energia pode ser utilizada em outra unidade consumidora. Se não utilizar naquele mês, o crédito gerado tem cinco anos para ser consumido — reforça o especialista.

Continua depois da publicidade

Morar Bem
Para uma residência de quatro pessoas, um sistema de aquecimento solar de água pode diminuir entre 30% a 40% por cento do consumo de energia (Foto: Celesc)

A recomendação é associar um gerador fotovoltaico mais barato e com potência menor com um sistema de aquecimento solar de água e uma iluminação mais eficiente. São instaladas placas coletoras de vidro onde pega o sol, chamado de coletor solar, e um boiler para reservatório de água quente, com isolamento térmico e a tubulação de água.

Para uma residência de quatro pessoas, um sistema de aquecimento solar de água pode diminuir entre 30% a 40% por cento do consumo de energia. No entanto, o custo é alto, cerca de cinco mil reais. Em média, o tempo de retorno desse investimento fica próximo dos cinco anos – mas tudo depende do consumo da unidade. A eficiência chega a 95%, onde a energia solar é convertida em energia térmica. É pelo menos três vezes mais eficiente do que um gerador de energia em painéis fotovoltaicos.

Não é só ao comprar grandes estruturas de geração de energia, geladeiras ou refrigeradores mais avançados que se pode economizar os valores pagos à concessionária. A troca de lâmpadas para unidades mais eficientes também pode beneficiar e muito o bolso ao reduzir o consumo. Segundo Jeremias, ao trocar uma lâmpada amarela, que consome cerca de 80W para uma fluorescente, o consumo cai para 25W. Uma economia de quase um terço no consumo. As de LED proporcionam uma economia ainda maior, ficam entre 7W e 10 W. De uma amarela para a lâmpada LED, a economia chega a 80%.

Continua depois da publicidade

Se todas as opções não são possíveis, comece por uma

Thamara Alves, residente em Florianópolis, possui uma estrutura para aquecimento da água em casa, onde mora com amigos.

— A casa possui duas placas que captam a energia solar e aquecem a água que vai para um reservatório de água quente e distribui para os chuveiros e torneiras da casa. Como a casa é bem grande e moram sete pessoas, com isso temos uma grande economia no consumo de energia elétrica — comenta a estudante.

Sustentabilidade
Ter horta em casa é uma alternativa simples e eficaz (Foto: Freepik)

Outra opção sustentável é manter a própria horta. A nutricionista Flora Rosenthal, além da horta comunitária no condomínio, possui uma mini horta dentro da casa. Além de facilitar o acesso aos vegetais, ela aponta como benefício a conexão com o alimento e a sustentabilidade para o meio ambiente, ao não consumir de grandes produções que podem prejudicar o ecossistema.

— Temos temperos e verduras, folhosos como alface, rúcula, espinafre e salsão. São produtos muito perecíveis e às vezes ao comprar um maço inteiro ele acaba estragando. Na horta colhemos apenas o que vamos utilizar na hora e são produtos sem agrotóxicos, fertilizantes ou químicos, muito mais saudáveis do que os convencionais.

Continua depois da publicidade

Confira o especial Morar Bem

Destaques do NSC Total